sexta-feira, 23 de junho de 2017

Eletrobras tem um 'monte de safados', diz presidente da estatal

Moacyr Lopes Junior/Folhapress
Wilson Ferreira Jr., presidente da Eletrobras
Segundo Wilson Ferreira Junior, presidente da estatal, mais ativos podem ser colocados à venda


Nicola Pamplona - Folha de São Paulo

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira, disse que a companhia tem empregados "inúteis" e que a sociedade não deveria pagar pelo que considera "privilégios" na estatal.

As declarações foram dadas em conversas com funcionários sobre o plano de corte de vagas na companhia, com o objetivo de reduzir o quadro de pessoal.

"Nós temos muito mais gerentes do que deveríamos, e nós temos um monte de safados que ganham, lamentavelmente, R$ 30 mil, R$ 40 mil, para ficar lá em cima, sentadinhos. Não estão nem aí para a situação", disse Ferreira.

"A sociedade não quer pagar pelos nossos privilégios", completou o executivo, que foi indicado ao cargo pelo presidente Michel Temer em junho de 2016.

As gravações foram divulgadas no site do jornal "O Estado de S. Paulo" e confirmadas pela Folha.

"São 40% da Eletrobras, 40% que de cara são inúteis, ganhando gratificação, um telefone, vaga de garagem", continuou Ferreira. "A sociedade não pode pagar por vagabundo, em especial no serviço público", reforçou.

A Eletrobras tenta promover um programa de corte de custos, que inclui um programa de demissão voluntária e incentivos à aposentadoria de empregados.

O objetivo é tentar reduzir o quadro de funcionários. A companhia planeja ainda vender seis distribuidoras de energia localizadas nas regiões Norte e Nordeste.

Em maio, a empresa lançou um plano de incentivo a aposentadorias, com o objetivo de atingir até 4.600 empregados e garantir uma economia de R$ 920 milhões por ano.

As declarações levaram os empregados a promover uma paralisação nesta quarta-feira (21). Eles também são contra o plano de venda de ativos da companhia, que inclui ainda fatias em hidrelétricas.

A companhia não respondeu ao pedido de esclarecimentos sobre as declarações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário