segunda-feira, 13 de julho de 2020

Aeroporto de Taiwan oferece voos falsos para viajantes em abstinência

TAIPEI - REUTERS
O aeroporto de Songshan, em Taiwan, está oferecendo uma solução inusitada para turistas em abstinência de viagens internacionais.
Desde o início do mês, eles podem embarcar para lugar nenhum. Os "passageiros" vão ao aeroporto, fazem check-in, passam pela alfândega e entram em um avião. Mas nessa viagem a aeronave não decola, e a origem e o destino são o mesmo lugar.
Inicialmente, o aeroporto abriu o evento para 60 pessoas de uma lista de 7.000 interessados em participar.
Passageiros taiwaneses em voo falso promovido pelo aeroporto de Songshan, 
na capital Taipé - Ann Wang - 2.jul.2020/Reuters
"Eu realmente quero ir para o exterior, mas, por causa da pandemia, muitos voos não podem acontecer", diz Hsiao Chun-wei, 38, que levou seu filho para "viajar".
Antes de embarcarem em um Airbus A330 da China Airlines, eles receberam bilhetes de embarque e passaram pela imigração e segurança. Já dentro do avião, foram recebidos pela tripulação.
O aeroporto de Songshan usa a iniciativa para apresentar as medidas de prevenção estabelecidas contra o novo coronavírus e as reformas feitas no local durante o período de isolamento.
Ainda que Taiwan tenha conseguido implementar políticas preventivas que fizeram a ilha ser pouco afetada pela pandemia, mantém restrições nas fronteiras, regras estabelecidas em meados de março.
Até esta segunda-feira (13), o território no extremo leste da Ásia, com 23 milhões de habitantes e área correspondente a pouco mais de 10% da do estado de São Paulo, contabilizava 451 casos confirmados e sete mortes, de acordo com levantamento da universidade americana Johns Hopkins.
A ilha também recomendou aos seus habitantes que viajem para o exterior somente em casos de extrema necessidade.
Segundo o governo local, com a redução do número de voos no território, o número de passageiros despencou 64% nos primeiros cinco meses de 2020 em relação a 2019.
O turismo interno, contudo, foi na contramão e cresceu. As duas principais companhias aéreas da ilha —a Mandarin Airlines e a Eva Air's Uni Air— ampliaram sua oferta para a costa oeste taiwanesa e suas ilhas turísticas durante o verão.

Nova gasolina se torna obrigatória em agosto e deve ser mais cara

A partir do próximo dia 3 de agosto, toda a gasolina vendida no país terá que seguir novas especificações da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) que melhoram o rendimento dos veículos. A expectativa, porém, é que a melhoria da qualidade tenha impacto no preço do combustível.
As novas especificações foram definidas pela ANP em janeiro, com o objetivo de preencher lacunas na legislação que permitiam a produção ou importação de gasolina de menor qualidade. As novas regras estipulam uma massa específica mínima e um valor mínimo de octanagen RON (sigla em inglês para número de octanas pesquisa).
Na primeira fase das mudanças, que entram em vigor em 3 de agosto, o valor mínimo de RON será 92. Em janeiro de 2022, o número é elevado para 93, mais próximo dos 95 vigentes na maior parte da Europa. Para a gasolina premium, o valor mínimo será de 97 já em agosto deste ano.
As mudanças nas especificações eram defendidas pelas montadoras de veículos por facilitar o ajuste dos motores, mas esbarrava nas características do parque de refino da Petrobras. A estatal diz que vem preparando suas refinarias há alguns meses e que hoje todas já produzem seguindo as novas especificações.
Segundo a estatal, a melhora na qualidade vai permitir redução de 4% a 6% no consumo de gasolina por quilômetro rodado. A Petrobras diz ainda que a nova especificação da gasolina melhora o desempenho do motor, a dirigibilidade e o tempo de resposta na partida a frio, além de manter aquecimento adequado do motor.
A ANP acrescenta que a mudança vai permitir a introdução no país de motores mais eficientes, com menor consumo e menos poluentes. Antes de janeiro, as regras brasileiras não estabeleciam limites mínimos de massa específica nem valor mínimo de RON, o que permitia a importação de gasolinas mais leves.
O mercado de combustíveis espera elevação do preço com a venda de uma gasolina mais nobre. Segundo a Argus Media, empresa especializada em preços de commodities energéticas, contratos de importação de gasolina americana para o Brasil já trazem novos parâmetros de preço.
As cargas negociadas para desembarque e agosto estão, em média, US$ 0,05 por galão (o equivalente a R$ 0,07 por litro) mais caras do que a média apurada em maio e junho. Enquete feita pela empresa no mercado apontou expectativas de elevação do preço entre US$ 0,04 e US$ 0,07 por galão (R$ 0,05 a R$ 0,09 por litro)
A Petrobras diz que eventual elevação de preço será compensada pelo ganho de rendimento do motor, "porque o consumidor vai rodar mais quilômetros por litro". A empresa destacou ainda que o preço é definido pela cotação no mercado internacional e tem outras variáveis, como frete e câmbio, que podem influenciar o valor final.
O preço de venda da gasolina pelas refinaras da Petrobras representa 28% do preço final do combustível - o restante são impostos e margens de lucro de postos e distribuidoras. Desde maio, com a recuperação das cotações do petróleo, a estatal promoveu oito reajustes no combustível, com alta acumulada de 60%.

Nicola Pamplona, Folha de São Paulo

Tarcísio assina ordem de serviço da BR-316/PI

Porto Feliz x São Paulo: o que a cidade pequena tem a ensinar à metrópole?

A experiência de sucesso no combate ao coronavírus no interior paulista mostra que o tratamento precoce salva vidas
porto feliz
Praça da Matriz na cidade de Porto Feliz (SP) | Foto: Reprodução/Prefeitura de Porto Feliz
Enquanto o prefeito da pacata cidade de Porto Feliz, Cássio Prado (PTB), iniciou em fevereiro reuniões de planejamento no sistema de saúde para combater a chegada do coronavírus, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), se debatia para definir estratégias que ou foram logo abandonadas em questão de dias por absoluta ineficiência, ou foram tomadas tardiamente, agravando os efeitos da pandemia.
Porto Feliz, cidade de 53 mil habitantes na região metropolitana de Sorocaba (SP), entendeu que para conter os avanços da epidemia era preciso agir rápido e mais, agir com a lógica que permeia a medicina: como em todo e qualquer tratamento, a intervenção precoce em uma doença pode evitar mortes. O prefeito Cássio Prado, que é médico cirurgião, contou que desde março já distribuiu gratuitamente mais de 1.500 kits com os medicamentos cloroquina, ivermectina e azitromicina a pacientes em estágio inicial da doença, sempre com prescrição médica.
tratamento precoce-cloroquina-hidroxicloroquina

Já em São Paulo, cidade com 12 milhões de habitantes, o prefeito Bruno Covas penou para estruturar uma estratégia consistente para enfrentar a pandemia. A campanha #FiqueemCasa e #trancatudo não evitou a morte de mais de 8 mil pessoas só na cidade de São Paulo. Para quem acredita que o isolamento social e a construção de hospitais de campanha com leitos fantasma evitaram uma tragédia ainda maior, o exemplo de Porto Feliz indica que o caminho pode estar no investimento do tratamento pré-hospitalar como modo de atacar a doença em suas fases iniciais, evitando a progressão para as formas graves, que minimizam as chances de vida do paciente.

Mas, afinal, o que a cidade pequena tem a ensinar à metrópole?

live promovida pelo jornalista Alexandre Garcia e pelo grupo de médicos Covid-19 – DF em 26 de junho reuniu profissionais de diferentes especialidades para falar sobre o tratamento precoce no combate à pandemia. Durante a live, o prefeito Cássio Prado compartilhou a experiência de sucesso na cidade:
• O sistema de saúde adotou os protocolos médicos de Madri, na Espanha, de Bérgamo, na Itália, e Marselha, na França. “Desde 28 de março, quando foi confirmado o primeiro caso, nós começamos com o tratamento precoce de todos os pacientes com sintomas leves da covid-19.”
• Já foram distribuídos gratuitamente mais de 1.500 kits com os medicamentos cloroquina, ivermectina e azitromicina a pacientes em estágio inicial da doença, sempre com prescrição médica. “E, desde então, entre todos aqueles tratados precocemente, ninguém evoluiu para a intubação. Os três óbitos que tivemos foram de pacientes que não fizeram o tratamento precoce.”
• Além de tratar os doentes infectados, optou-se por tratar também os contactantes, ou seja, pessoas que tiveram contato com pacientes contaminados pela covid-19. Os profissionais da saúde também tomaram a medicação de forma profilática, ou seja, como medida preventiva.
• Em um bairro da cidade, foi escolhida uma quadra inteira para fazer a profilaxia dos moradores. “Demos ivermectina, vermífugo utilizado no combate a doenças causadas por vermes e parasitas, para toda essa quadra, perto de 290 moradores. Nas quadras ao redor, houve casos de covid-19; nessa quadra, nenhum caso.”
• Alojamentos inteiros na cidade que tiveram casos de covid-19 foram tratados com os protocolos precoces, e nenhum funcionário que trabalhava nesses locais desenvolveu a doença.
• Porto Feliz foi uma das primeiras cidades a exigir o uso de máscara, já no final de março.
Já em São Paulo, algumas das tentativas para manter o isolamento social apenas agravaram o alastramento do vírus na maior cidade do Brasil. No que se refere ao tratamento precoce, o último relatório técnico, datado de 12 de junho e publicado no site da prefeitura, não recomenda o uso da hidroxicloroquina e cloroquina para casos leves e moderados da doença. A seguir, algumas medidas tomadas pelo prefeito Bruno Covas ao longo dos últimos meses:
• A decisão de reduzir a frota de ônibus na cidade provocou aglomeração tanto nos pontos quanto no interior do transporte público, o que ajudou a levar a covid-19 para a periferia.
• A prefeitura tentou diminuir o número de carros em circulação bloqueando avenidas — a medida foi suspensa em dois dias;
• A versão de um rodízio ampliado, que deixou 50% da frota impedida de rodar na cidade, durou uma semana e aumentou ainda mais a aglomeração no transporte público, usado pela maior parte da população de baixa renda para trabalhar todos os dias.
• O governo levou 50 dias para tornar obrigatório o uso de máscara no transporte, e depois nas vias públicas.
• Para especialistas ouvidos por Oeste, a antecipação de feriados como o de Corpus Christi apenas estimulou o trânsito de pessoas da capital para o interior, espalhando a contaminação do vírus para regiões que estavam com a epidemia sob controle.
• Apesar de o prefeito dizer que as estatísticas sobre o combate ao coronavírus na capital paulista são transparentes, a divulgação dos números do coronavírus na cidade é marcada por falhas e contradições. Só para ficar em um exemplo, em 27 de maio Bruno Covas informou que, no município de São Paulo, havia 51.852 casos confirmados de coronavírus e 53.541 pacientes curados. Ou seja: misteriosamente, o número de curados foi bem superior ao de casos confirmados.
• Embora a prefeitura de São Paulo nunca tenha proibido o uso da cloroquina, nem de sua forma menos tóxica, a hidroxicloroquina, de acordo com o relatório técnico publicado pela Secretaria Municipal da Saúde em 12 de junho, o tratamento da covid-19 com o uso da cloroquina e hidroxicloroquina não é recomendado para casos leves e moderados da doença.
Enquanto uma vacina capaz de imunizar a população não chega ao mercado, será preciso combater o vírus chinês com as armas disponíveis. Em São Paulo, milhões de reais foram gastos na construção de hospitais de campanha, na montagem de leitos de UTI e na compra de respiradores — medidas importantes para equipar o sistema de saúde do país, sem dúvida. Mas, em tempos excepcionais, a experiência de Porto Feliz, baseada no tratamento precoce de pacientes, parece uma alternativa menos custosa e com bons resultados para a população.

, Revista Oeste