terça-feira, 13 de junho de 2017

Apesar de se manter no governo, PSDB vai recorrer da decisão do TSE que livrou Temer da cassação


Executiva nacional do PSDB se reúne em Brasília - ANDRE COELHO / Agência O Globo


Maria Lima - O Globo



Apesar de o PSDB manter a aliança com o governo do presidente Michel Temer, a Executiva nacional do partido decidiu nesta segunda-feira encaminhar ao Supremo Tribunal Federal (STF) um recurso extraordinário contra a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que livrou o presidente da cassação.

- Não tem incoerência nenhuma. Quando os ministros foram indicados, a ação já estava correndo. A ação originária é do PSDB, se não recorrermos estaremos prevaricando - disse o líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP).

Depois de quatro dias de julgamento e do reconhecimento da existência de fartos indícios de que a chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer cometeu crimes na campanha de 2014, a maioria dos ministros TSEignorou provas e absolveu os candidatos. Por quatro votos a três, os ministros declararam que as provas mais contundentes não poderiam ser levadas em conta, porque teriam sido inseridas no processo fora do prazo.

Maior defensor da absolvição ao longo do julgamento, o presidente do TSE, Gilmar Mendes, foi o responsável pelo voto de Minerva após o empate em 3 a 3. Também votaram pela absolvição os ministros Napoleão Nunes Maia, Admar Gonzaga e Tarcisio Vieira.

O voto do relator, Herman Benjamin, foi proferido ao longo dos quatro dias de julgamento, e foi seguido pelos ministros Rosa Weber e Luiz Fux.

Na reunião da Executiva do PSDB hoje em que a maioria se manifestou pela permanência no governo sem, no entanto, haver um anúncia oficial, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu o afastamento definitivo do senador afastado, Aécio Neves, da direção do PSDB. Em seu discurso, Alckmin disse que é hora de renovar o partido, começando pela antecipação das eleições internas para troca dos dirigentes em todos os níveis.


Nenhum comentário:

Postar um comentário