segunda-feira, 19 de junho de 2017

The Economist cita Doria como 'sério candidato' a 2018

Elisa Clavery - O Estado de S.Paulo


Segundo artigo, escândalos de corrupção abririam espaço

 para os recém-chegados na política; sem falar em 2018, 

prefeito elogiou artigo nas redes sociais



A revista britânica The Economist publicou um artigo na última quinta-feira, 15, em que cita o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), como um "sério candidato" às eleições presidenciais de 2018. Segundo a publicação, que leva o título "Quem vai sobreviver ao abandono político do Brasil?" (tradução livre), os escândalos de corrupção abririam espaço para os recém-chegados na política. 
Alckmin e Doria
Revista também destaca Alckmin como possível candidato, mas diz que 'os que estiveram na política por um tempo correm risco de serem incluídos no escândalo' Foto: Hélvio Romero/Estadão
O texto começa com uma comparação a Donald Trump, já que ambos se tornaram conhecidos por apresentarem o programa de televisão "O Aprendiz". A revista diz que Doria tem o "suave charme" de um comunicador profissional, com um "ar metrossexual". Os primeiros meses de sua gestão são mencionados, com destaque para o corte da lista de espera nos hospitais e a ação na Cracolândia - que, a publicação lembra, os críticos dizem que apenas "dispersou o problema". 
Para a revista, a possibilidade de Doria disputar como candidato em 2018 "diz muito sobre a maneira pela qual as investigações de corrupção e a quebra econômica derrubaram a classe política". A publicação cita a condenação do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, as acusações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e contra o senador Aécio Neves (PSDB) e o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A investigação contra o presidente Michel Temer (PMDB), após a delação da JBS, também é destaque da revista, que cita que o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que livrou o presidente de uma cassação e diz que ele pode "sobreviver até as eleições presidenciais do próximo ano". 
Neste cenário, a "eleição poderia se tornar uma disputa entre pessoas de fora, com o risco de um candidato populista explorar o vácuo político", afirma o artigo. 
O governador Geraldo Alckmin, que é chamado pela publicação de "poderoso e moderado" e "mentor político de Doria", também é destacado como candidato a 2018. Mas a revista coloca um porém. "Quase todos os que estiveram na política por algum tempo correm o risco de serem incluídos no escândalo porque as doações não declaradas eram a regra", diz o artigo. 
"Este é o motivo para Doria, que é um 'insider' e um novato político, ter uma chance, embora suas credenciais possam ser frágeis", diz o texto, que destaca que o mesmo pode acontecer com outros políticos jovens que ainda não têm uma impressão no cenário nacional.
Nas redes sociais, Doria comemorou o artigo, sem fazer referência a 2018. "Mais um excelente artigo em publicação internacional, dessa vez na Revista The Economist. Seguimos com nosso trabalho sério e convictos que estamos apenas no início de uma longa caminhada rumo a uma cidade melhor e mais digna para os paulistanos", escreveu em seu Instagram. Até o momento, o prefeito nega uma candidatura às próximas eleições presidenciais. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário