quinta-feira, 15 de junho de 2017

'Se ficar difícil, cabe a quem tem responsabilidade renunciar', diz FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, durante entrevista (Paulo Vitale/VEJA)


Thaís Oyama - Veja


Para o ex-presidente FHC, dependendo das explicações que Temer apresentar para a denúncia da PGR, não restará melhor saída que ‘tomar ele próprio a decisão’


Para o ex-presidente Fernando Henrique CardosoMichel Temer terá uma chance de “se explicar ao país” no momento em que a Procuradoria-Geral da República oferecer denúncia contra ele. Mas, a depender dessa explicação, e do surgimento de fatos novos, não restaria ao presidente melhor saída que “tomar ele próprio a decisão”.
O comentário mais ameno entre os críticos da decisão do PSDB de permanecer no governo foi que, com ela, o partido deixou de se diferenciar do PT no plano ético e se igualou ao PMDB no modo de fazer política. O senhor discorda disso?
Eu compreendo esse modo de ver as coisas. Porém, se você encarar de outro ponto de vista, o que houve foi que o PSDB pesou o que aconteceria com o governo e com o país. Não foram todos, claro. Uns tomaram a decisão pensando em si, outros pensando na imagem do partido. Quando se pensa na questão com mais responsabilidade, o que se conclui é que o PSDB, ao sair, tira o tapete do governo. E fazemos o que depois? A racionalização da questão por parte dos mais responsáveis é que a saída do PSDB do governo desequilibra o sistema. Mas, como a situação está complicada e a cada dia há fatos novos, é natural que as pessoas mais responsáveis também acompanhem essas transformações.
Qual o limite de tolerância do PSDB?
Acho que já passou do limite.
Então o que falta para o partido desembarcar?
Os fatos vão aparecendo semana a semana. A questão que vai se colocar, vai continuar se colocando, é como o governo vai reagir ao que está aí. O governo vai convencer a sociedade de que aquela conversa com o Joesley foi apenas uma cilada ou onde tem fumaça tem fogo?
Qual a sua opinião sobre isso?
Minha opinião é que ele tem de explicar duas coisas: as malas. São duas malas de dinheiro. Para quem foram? Que caminho tomaram? A segunda coisa: houve alteração na fita? Por isso é que o PSDB tomou tempo: você tem de dar o direito de defesa ao presidente da República. Mas, dado o direito, ele tem de se defender. Tem de convencer o país.
Mas ele já não teve tempo suficiente?
Vamos ver o que o procurador-geral da República vai dizer. A denúncia é vazia ou concreta? Se for concreta, o governo vai ter de se explicar. O mesmo vale para todos.
Íntegra na VEJA

Nenhum comentário:

Postar um comentário