segunda-feira, 12 de junho de 2017

Taxista conta que Loures guardou mala com propina na casa dos pais


Rodrigo Rocha Loures chegando de viagem no aeroporto - Bruno Santos


O Globo



O ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures (PMDB)guardou a mala com R$ 500 mil que recebeu da JBS na casa de seus pais até devolver à Polícia Federal (PF) depois da delação dos donos e executivos da empresa. A informação foi revelada à PF pelo taxista que conduziu Loures no dia 24 de abril, segundo reportagem do “Fantástico”, da TV Globo.

Naquele dia, o ex-assessor do presidente Michel Temer deixou um encontro com Ricardo Saud, diretor da JBS, com a mala e a guardou no porta-malas de um táxi que o esperava. A entrega do dinheiro foi flagrada em uma das ações controladas da PF.

O taxista disse aos policiais que levava Rocha Loures para o aeroporto de Congonhas, em São Paulo. O ex-assessor pediu, então, que o veículo parasse em uma pizzaria, onde ocorreu o encontro com o diretor da JBS. Ele saiu do restaurante com a mala nas mãos, conforme mostra o vídeo da PF, que seguiu o táxi.

De acordo com o taxista, após voltar ao veículo, Rocha Loures deu orientação para uma segunda parada, dessa vez na casa de seus pais. O ex-assessor subiu ao apartamento carregando a mala com o dinheiro, que teria sido guardada, segundo a PF, no armário da mãe. E desceu para prosseguir a viagem com outra mala.

Rocha Loures é investigado pela Procuradoria-Geral da República no mesmo inquérito do presidente Michel Temer. Segundo os delatores da JBS, Loures foi apontado por Temer como seu intermediário a Joesley Batista, dono da JBS, durante encontro no porão do Palácio do Jaburu, que foi gravado pelo empresário, conforme revelou O GLOBO em maio.

Joesley disse em delação que os R$ 500 mil entregues a Loures faziam parte de um pagamento mensal endereçado a Temer, como contrapartida à interferência do presidente no Cade em favor dos interesses da J&F, grupo que controla a JBS.

A entrega do dinheiro a Rocha Loures será um dos argumentos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na denúncia contra Temer, que deverá ser apresentada ao STF até o dia 19.

O ex-assessor de Temer foi preso no dia 3 de junho, após perder o foro privilegiado. Suplente na Câmara, ele deixou o mandato depois que o deputado Osmar Serraglio voltou à Casa quando deixou o Ministério de Temer.


Nenhum comentário:

Postar um comentário