domingo, 18 de junho de 2017

Greenfield mira em 50 grupos e perdas de R$ 54 bilhões

Alexa Salomão, Daniel Bramatti e Marcelo Godoy - O Estado de S.Paulo



Operação é líder no ranking de prejuízos detectados 

em esquemas  de corrupção; investigação apura fraude

 em fundos de pensão e investimento



Sem contar com a popularidade da Operação Lava Jato – que apura esquema de corrupção e cartel na Petrobrás –, a Operação Greenfield é, de longe, a que mais impressiona pelo volume de prejuízos, a quantidade de investigados e a de lesados. A Greenfield apura a conduta de 50 grupos econômicos, gerou R$ 53,8 bilhões em prejuízos que afetam a vida de quase 2 milhões de funcionários públicos na ativa e de aposentados.
“Os prejuízos e os valores (envolvidos) são muito altos”, disse o procurador da República Andrey Borges de Mendonça.
Quando a operação que investiga supostas fraudes em fundos de pensão foi deflagrada, em março deste ano, os investigadores estimaram que dez grupos estavam envolvidos e o prejuízo somava R$ 8 bilhões. No entanto, na medida em que novas evidências foram surgindo ficou claro que o esquema apurado era muito maior.
Além da própria Greenfield, a investigação cresceu e agora engloba também os resultados de outras duas operações: a Cui Bono, que apura cobrança de propina na liberação de empréstimos na Caixa Econômica Federal, e a Sépsis, que investiga suposto esquema de pagamento de propina para liberação de recursos do FI-FGTS, fundo mantido com recursos dos trabalhadores e gerenciado pelo banco estatal.
Fusão. A fusão de operações leva em consideração três pontos. O primeiro é o fato de tratarem de um mesmo tema: investigar a gestão e o destino do dinheiro dos chamados investidores institucionais. 
Nesta lista o Ministério Público Federal incluiu os grandes fundos de pensão de estatais, como Previ – dos funcionários do Banco do Brasil – e Petros – dos trabalhadores da Petrobrás; bem como institutos de previdência estaduais e municipais; o FI-FGTS, cujo o patrimônio passa de R$ 3 bilhões; além de diretorias da própria Caixa, que movimentam grandes financiamentos para empresas. 
Outro ponto em comum é que essas operações também lidam com as mesmas instituições e programas. Empresas do Grupo J&F, holding que controla a JBS, por exemplo, possuem financiamento da Caixa, recursos do FI-FGTS e aporte de fundos de pensão.
Em terceiro lugar, o modelo de atuação para se conseguir o dinheiro era bem parecido. Incluía a criação de uma nova empresa, do zero. Seus ativos eram superavaliados, o que gerava pagamento de propinas dos empresários para executivos da Caixa e gestores dos fundos de pensão. A propina era paga para a liberação do dinheiro, caracterizando gestão temerária.
Segundo cálculos do MPF e da Comissão de Valores Imobiliários (CVM), o “xerife” do mercado de capitais, esses investidores institucionais têm R$ 1 trilhão para investir anualmente – praticamente o mesmo valor de todo Orçamento anual do governo federal. 
Afetados. Mas a maior parte dos recursos pertence a assalariados de empresas privadas e servidores, como bancários e professores de escolas públicas que foram surpreendidos pelos prejuízos dos esquemas.
A Funcef, por exemplo, que reúne economiários da Caixa, tem R$ 17 bilhões de déficit e compartilhou o prejuízo com funcionários da ativa e aposentados. Entre as origens do prejuízo está um investimento de mais de R$ 1 bilhão na Sete Brasil, empresa criada para monitorar a produção de sondas para a exploração do pré-sal que se mostrou foco de corrupção na Lava Jato.
“Temos aposentados com mais de 100 anos de idade que estão pagando por isso. Nem eles, nem eu, com 43 anos de Caixa, imaginamos que algo assim aconteceria”, disse Jesse Krieger, presidente do Conselho Deliberativo da Federação Nacional das Associações de Aposentados e Pensionistas da Caixa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário