domingo, 25 de junho de 2017

Corte de verba para o Carnaval tem aprovação de 78% da população do Rio, diz pesquisa

Romulo Tesi - UOL


Uma pesquisa de opinião feita pelo Instituto Paraná Pesquisas, por encomenda do jornal O Dia, revelou números preocupantes para as escolas de samba. Segundo o levantamento, 78,5% dos ouvidos, cidadãos do Rio de Janeiro, concordam com o corte da verba da Prefeitura para as agremiações; outros 19,8% discordam e 2,7% não sabem ou não souberam opinar.
A pesquisa ouviu 1.020 pessoas, todas habitantes do Rio de Janeiro, com idade a partir de 16 anos, entre os dias 17 e 20 junho, com grau de confiança, segundo o instituto responsável, de 95% e margem de erro de 3%.
Questionados sobre eventuais perdas para o Rio caso os desfiles não aconteçam, 65,9% dos entrevistados acreditam que a cidade não perde muito. A Liesa já anunciou que as apresentações de 2018 estão suspensas até que as partes cheguem a um acordo, e tenta, sem sucesso, um encontro com o prefeito Marcelo Crivella.
Já 62,2% acham que as escolas devem buscar ajuda somente na iniciativa privada, contra 34,3% que defendem a permanência de alguma subvenção.
Veja algumas perguntas feitas pela pesquisa e os resultados:
Concorda ou discorda do corte de 50% da verba da Prefeitura para as escolas de samba?
Concorda: 78,5%
Discorda: 18,8%
Não sabe/não opinou: 2,7%
O corte vai impossibilitar os desfiles?
Não: 74,1%
Sim: 21,4%
Não sabe/não opinou: 4,5%
Se não tiver desfile, a cidade perde muito?
Não: 65,9%
Sim: 31,5%
Não sabe/não opinou: 2,6%
Concorda ou discorda do remanejamento da verba para as creches?
Concorda: 78,2%
Discorda: 18,4%
Não sabe/não opinou: 3,4%
Prefeitura deve continuar ajudando as escolas ou estas devem buscar recursos na iniciativa privada?
Devem apenas buscar recursos privados: 62,2%
Devem receber recursos públicos: 34,3%
Não sabe/não opinou: 3,5%
Salgueiro, 2017 – Fernando Grilli/Riotur
Entenda o caso
Crivella anunciou que pretende cortar em 50% a verba destinada às escolas de samba para investir em creches. O valor em 2017 foi de R$ 24 milhões, sendo R$ 2 milhões para cada agremiação. Como em 2018 serão 13 escolas no Grupo Especial, a expectativa era que o montante chegasse a R$ 26 milhões. Mas, conforme a Riotur (Empresa Municipal de Turismo do Rio de Janeiro), responsável por organizar a festa, já confirmou, o valor ficará mesmo em R$ 13 milhões.
A Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba) anunciou que, sem os R$ 13 milhões, os desfiles ficam inviáveis em 2018, e decidiu suspender as apresentações até que as partes cheguem a um acordo. A entidade espera conseguir um encontro com o prefeito, algo que vem tentando há meses, sem sucesso.
Riotur disse, em nota, que o Carnaval está garantido e afirmou que vai buscar na iniciativa provada os recursos para as escolas. Mas confirma que as creches são prioridade.
Em resposta, sambistas realizaram um protesto. O grupo se concentrou em frente ao edifício administrativo da prefeitura, na Cidade Nova, e caminhou até a Marquês de Sapucaí.
O prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, se prontificou a ajudar e ofereceu levar os desfiles para a cidade da Baixada Fluminense. “A festa traz receita, movimenta a economia. Tem dinheiro para tudo. Se puder levar a Sapucaí para Caxias, eu banco. Vai dar lucro, traz turistas, é importante para a cidade”, disse Reis ao jornal Extra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário