sexta-feira, 16 de junho de 2017

2º mais rico do mundo pede ajuda no Twitter sobre como doar fortuna

Ted S. Warren - 16.jun.2014/Associated Press
FILE - In this June 16, 2014 file photo, Amazon CEO Jeff Bezos walks on stage for the launch of the new Amazon Fire Phone, in Seattle. Amazon.com reports quarterly financial results on Thursday, Oct. 23, 2014. (AP Photo/Ted S. Warren, File) ORG XMIT: NYBZ197
O presidente-executivo da Amazon, Jeff Bezos, em evento da empresa


Reuters

O bilionário fundador da Amazon.com, Jeff Bezos, usou nesta quinta-feira (15) uma fonte pouco convencional para inspiração sobre como doar parte de sua riqueza: o Twitter.

"Quero que grande parte da minha atividade filantrópica seja para ajudar pessoas no aqui e agora —curto prazo— na intersecção da necessidade urgente e do impacto duradouro", disse Bezos, em mensagem no Twitter.

O presidente da gigante global do comércio on-line é a segunda pessoa mais rica do mundo, com patrimônio de US$ 82,8 bilhões, segundo a agência Bloomberg. Ele só está atrás de Bill Gates, com US$ 89,4 bilhões.

"Se você tiver ideias, somente responda a este tuíte com a ideia (e se você achar que esta abordagem é errada, amaria ouvir isto também)."

O pedido sinalizou uma mudança para Bezos, que investiu em apostas de longo prazo como exploração espacial e se manteve quieto sobre outros ofertas.

O executivo de e-commerce disse que irá vender cerca de US$ 1 bilhão em ações da Amazon anualmente para financiar sua companhia Blue Origin, que busca cortar o custo de viagem espacial e dar início ao empreendedorismo no cosmos.

A Amazon é avaliada em US$ 459 bilhões, com base na sua cotação na Bolsa de Valores nesta quinta-feira.

Para filantropia, Bezos tem apoiado uma fundação administrada por seus pais que foca em educação.

Sua família também deu mais de US$ 40 milhões para o Centro de Pesquisas sobre o Câncer Fred Hutchinson, em Seattle, não muito longe da sede da Amazon.

Ainda assim, Bezos ainda precisa tornar a caridade um pilar do seu trabalho, como fizeram Bill Gates, da Microsoft, e Mark Zuckerberg, do Facebook.

Bezos não se juntou a eles e outros 167 dos mais ricos do mundo na promessa de dedicar mais da metade de suas fortunas à filantropia.

Perguntado em uma entrevista com Charlie Rose no ano passado se um dia iria rivalizar com a nobreza de Bill Gates, Bezos brincou: "Então, sim, se houver algo restante após eu terminar a Blue Origin".

Sua publicação no Twitter gerou quase 7.000 respostas em seis horas.
Recomendações variavam de programas alimentares para crianças, proteção de florestas à ajuda aos sem-teto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário