terça-feira, 31 de janeiro de 2017

PF leva Rodrigo Leicht Carneiro Leão, genro de José Múcio Monteiro, ministro do TCU, para depor na Operação Vórtex

Mateus Coutinho e Fausto Macedo - O Estado de São Paulo

Empresário Rodrigo Leicht Carneiro Leão é casado com a filha do ministro José Múcio e está sob suspeita de envolvimento em esquema de lavagem de dinheiro para abastecer caixa 2 de campanhas eleitorais

WhatsApp Image 2017-01-31 at 10.08.46
PF na Operação Vórtex. Foto: Divulgação



Deflagrada na manhã desta terça-feira, 31, para investigar mais uma empresa que estaria envolvida na compra do avião que se acidentou e matou o então candidato a presidente Eduardo Campos (PSB), em agosto de 2014, a Operação Vórtex levou para depor coercitivamente o empresário Rodrigo Leicht Carneiro Leão, genro do ministro do Tribunal de Contas da União José Múcio. A informação foi confirmada ao Estado por fontes ligadas à investigação.
Desdobramento da Operação Turbulência, que revelou um esquema de lavagem de dinheiro que teria abastecido o caixa 2 das campanhas de Campos em 2010 e 2014, a Vórtex apura os crimes de corrupção, direcionamento de licitação e lavagem de dinheiro envolvendo uma nova empresa que teria movimentado dinheiro com as companhias utilizadas na compra da aeronave.
Rodrigo Carneiro é um dos sócios da empresa Lidermac Construções, que possui contratos com o governo de Pernambuco e com vários municípios no Estado, e casado com a filha do ministro do TCU.
Além dele, os outros três sócios da Lidermac também foram alvos de mandados de condução coercitiva hoje.
Ao todo, 30 policiais federais foram às ruas nesta terça-feira, 31, para cumprir 10 ordens judiciais em Pernambuco, sendo 6 mandados de busca e apreensão (4 no bairro de Boa Viagem, 1 no Pina e 1 em Jaboatão dos Guararapes) e 4 mandados de condução coercitiva (todos no bairro de Boa Viagem).
A investigação da Vórtex partiu da análise das contas das empresas envolvidas na compra da aeronave e identificou que uma das companhias investigadas na Operação Turbulência teria sido utilizada apenas como conta de passagem, pois recebeu valores de outra empresa dois dias antes de realizar a compra do avião. Esta outra empresa, que repassou os valores, ainda não havia sido investigada.
Deflagrada em junho de 2016, a Operação Turbulência identificou uma rede de empresas de fachada, inclusive as envolvidas na compra do avião, que teriam sido usadas para lavar cerca de R$ 600 milhões.
A investigação começou a partir da dificuldade em identificar o dono da aeronave após o acidente e agora avança sobre uma nova empresa que, segundo a PF, possui contratos milionários com o governo de Pernambuco e teria movimentado dinheiro no esquema.
“Ao investigar mais a fundo a empresa remetente dos recursos, verificou-se que ela possui contratos milionários com o governo do Estado e que suas doações a campanhas políticas aumentaram de forma exponencial ao longo dos últimos anos, notadamente para o partido e candidatos apoiados pelo ex-governador do estado, Eduardo Campos”, diz a nota divulgada pela PF.
O nome da operação é uma referência ao jargão aeronáutico vórtex (ou vórtice), que é o nome dado ao movimento de massas de ar em formato de redemoinho ou ciclone que geralmente precede a turbulência.
Turbulência. Deflagrada em 2016 a partir das investigações sobre o verdadeiro proprietário do avião Cesna Citation que se acidentou em Santos (SP) durante a campanha eleitoral de 2014, a Operação Turbulência revelou uma rede de empresas usadas para lavar dinheiro e abastecer o suposto caixa 2 das campanhas de Eduardo Campos (2010) e Marina Silva (2014), pelo PSB.
Com o avanço das investigações, ao menos três empresários envolvidos na compra da aeronave e apontados como líderes do esquema, João Lyra, Apolo Santana e Eduardo Bezerra Leite, decidiram colaborar com as autoridades e assinaram um acordo de delação premiada.
Na denúncia oferecida contra 18 pessoas envolvidas no caso, o Ministério Público Federal apontou que os três empresários lideravam o grupo criminoso que lucrava com ‘a prática de agiotagem’, lavagem de dinheiro proveniente de superfaturamento de obras públicas e pagamento de propina para agentes públicos. Embora essa primeira denúncia tenha sido arquivada, a investigação prossegue em Pernambuco.
O Estado apurou que além dos fatos envolvendo o avião, João Lyra negociou com os investigadores o detalhamento de todas as transações financeiras realizadas por seu grupo cujos valores são oriundos de superfaturamento de obras públicas e de esquemas envolvendo empreiteiras e o governo de Pernambuco.
Embora a operação Turbulência tenha origem na queda do avião, a PF compartilhou informações com a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e com o grupo de investigadores da Procuradoria-Geral da República. Para chegar aos verdadeiros proprietários do jatinho, a PF mapeou uma teia de empresas de fachada supostamente utilizadas para lavar e escoar dinheiro oriundo de obras públicas para campanhas políticas. Foram investigados repasses da Camargo Corrêa e da OAS que teriam origem em desvios praticados em obras da Petrobras em Pernambuco e na transposição do Rio São Francisco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário