segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Eike será detido assim que chegar ao Rio, segundo Polícia Federal

Folha de São Paulo


O pedido de prisão preventiva de Eike Batista, expedido dias antes da Operação Eficiência (26), será cumprido nesta segunda-feira (30), assim que o empresário chegar ao Brasil desde Nova York.

A informação é da delegacia da Polícia Federal do Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio, onde o voo deve pousar por volta das 10h30.

O empresário seguirá o procedimento padrão de detenção: será conduzido por agentes que trabalham no posto do próprio aeroporto até o Instituto Médico Legal, para realizar exames de corpo de delito, e seguirá para um presídio ainda não confirmado.

Renata Cafardo
Nova Iorque 29.01.2017 O empresario Eike Batista procurado pela Policia Federal por conta da Operacao Eficiencia embarca no aeroporto de Nova Iorque rumo ao Brasil. Foto: Renata Cafardo ****EXCLUSIVO FOLHA****
O empresário Eike Batista embarca para o Brasil no aeroporto JFK, em Nova York

No sábado (28), a Folha informou que ele pretendia se entregar à Justiça, mas tinha medo de ser levado a uma penitenciária comum por não ter curso superior.

Eike Batista embarcou na noite de domingo (29) no aeroporto JFK, em Nova York, por volta das 21h45 (horário de Brasília). No caminho até o local de embarque, questionado pela reportagem se iria se entregar, apenas sorriu.

Ao programa "Fantástico" (Globo) Eike afirmou, já na área de embarque, que responderá "à Justiça, como é o meu dever". "Meu sentimento é que tem que se mostrar o que é. Está na hora de passar as coisas a limpo."

Questionado pela equipe da emissora se iria fazer delações, o empresário disse que iria esperar estar diante da Justiça. Ele afirmou ainda que nunca pensou em fugir para a Alemanha —Eike tem dupla nacionalidade. "Sempre venho a Nova York a negócios."

ALVO

Eike foi o principal alvo da Operação Eficiência, deflagrada pela Polícia Federal, na quinta-feira (26).

Quando a ação estourou, ele estava fora do país e foi considerado foragido pela Justiça, procurado pela Interpol (Polícia Internacional). Seus advogados negaram, na ocasião, que ele tivesse fugido.

Ele teve a prisão decretada depois que dois doleiros fizeram acordos de delação com a Operação Lava Jato no Rio e contaram que ele pagou US$ 16,5 milhões de propina ao ex-governador do Rio Sergio Cabral, que está preso.

Antes de embarcar de volta ao Brasil, neste domingo, o empresário caminhou tranquilamente pelo terminal 8 do JFK. Chegou a conversar e tirar selfies com brasileiros que estavam no aeroporto.

Ele carregava apenas uma mala de mão e não enfrentou filas para fazer o check in. A cada pergunta feita pela reportagem, respondia apenas com sorrisos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário