segunda-feira, 20 de maio de 2019

Janaina Paschoal sinaliza saída do PSL e diz que deputados 'estão cegos'

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL) afirmou nesta segunda-feira (20) que os colegas de partido dela "estão cegos" e que quer deixar a bancada da legenda na Assembleia Legislativa de São Paulo.
Eleita com mais de 2 milhões de votos, a maior votação na história recebida para o cargo no país, a advogada que se notabilizou com o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) fez críticas nos últimos dias à manifestação que está sendo convocada para domingo (26) em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).
"Amigos, vocês estão ​cegos. Estou saindo do grupo, vou ver como faço para sair da bancada. Acho que os ajudei na eleição, mas preciso pensar no país. Isso tudo é responsabilidade", escreveu ela no grupo de WhatsApp dos deputados estaduais da legenda. Em seguida, Janaina saiu do grupo.
[ x ]
Ela também mandou um áudio aos colegas questionando um vídeo postado por Bolsonaro em que um pastor o defende como um político "estabelecido por Deus" para guiar o Brasil.
"Eu peço que vocês assistam e me respondam se um presidente da República, na plenitude das suas faculdades mentais, publicaria um vídeo desses. Por favor", disse ela na gravação.
Um rompimento imediato com o PSL seria delicado para a parlamentar por causa da regra de fidelidade partidária. Ela não indicou estar disposta a abrir mão do mandato, e a legenda não pretende expulsá-la. Uma eventual troca de legenda só poderia ocorrer durante a chamada janela partidária.
Folha não conseguiu contato com a deputada, mas confirmou a autenticidade da mensagem. Segundo a rádio Jovem Pan, a parlamentar disse que o conteúdo da conversa é verdadeiro.
Até o início da tarde, Janaina permanecia em outros grupos de WhatsApp ligados ao partido, como um que só trata de assuntos relacionados ao plenário da Assembleia e que tem entre os membros deputados e assessores e outro em que integrantes da sigla falam sobre relações com a imprensa.
No fim de semana, em redes sociais, a deputada se colocou contra os atos que estão sendo preparados para domingo.
"Pelo amor de Deus, parem as convocações! Essas pessoas precisam de um choque de realidade. Não tem sentido quem está com o poder convocar manifestações! Raciocinem! Eu só peço o básico! Reflitam!", escreveu em uma rede social neste domingo (19).
Nesta segunda, ela fez novos ataques, dizendo que "o governo se coloca em uma situação de imobilismo e chama as pessoas para tirá-lo do imobilismo. Por quê?".
Janaina lembrou que discordou da decisão do Planalto de apoiar a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara dos Deputados.
"Tivesse o presidente apoiado um presidente da Câmara coerente com os novos paradigmas... tivesse orientando seus líderes a votar contra medidas restritivas de seus poderes... tivesse se esforçado para defender a Previdência e, ainda assim, o Congresso o estivesse sabotando, obviamente, eu apoiaria as manifestações. Mas não foi isso que aconteceu. Por quê?", escreveu ela.
À Jovem Pan a parlamentar disse que não está abandonando o presidente. "Eu estou tentando salvar um governo no qual eu votei e trabalhei muito para eleger, mas para governar nas regras do Estado democrático de Direito. Não consigo ver lógica em um governo convocar manifestações."
Ela acrescentou que "quem está no governo precisa de ponderação, colocar os ânimos nos lugares" e que é necessário "respeitar os trâmites das instituições".
Líder da bancada do PSL na Assembleia, o deputado Gil Diniz diz defender a permanência da advogada na sigla. "Ninguém no partido defende a expulsão dela. Mas que ela fique se quiser. Não posso obrigá-la a ficar", afirma ele à Folha.
"Agora, eu discordo do que ela falou de cegueira. Não tem ninguém cego ali não, pelo contrário. Nem os deputados nem os milhões de brasileiros que querem se manifestar estão cegos", segue o parlamentar, que diz estar se programando para ir aos atos.
Antes do episódio, Janaina já vinha acumulando desgastes com colegas do PSL na Assembleia, por frequentemente ter opiniões divergentes em relação ao posicionamento da bancada.
Na semana passada, ela fez parte da ala do partido que votou favorável a um projeto de interesse do governador João Doria (PSDB), o que prevê o enxugamento de estatais. Em conversas anteriores à votação, ela se contrapôs firmemente aos companheiros de PSL que optaram por obstruir a pauta.
A parlamentar também se tornou alvo de apoiadores do "núcleo duro" do bolsonarismo, por questionar posicionamentos do presidente e de seu entorno que "alimentam a visão conspiratória que o está afundando". Ela mantém uma linha de apoio crítico, mesmo fazendo parte da sigla de Bolsonaro.
O estopim para a ameaça de abandonar o partido foi a discussão sobre o comportamento de Bolsonaro e de aliados em torno dos atos previstos para o fim de semana. Ela é a única no grupo de WhatsApp dos deputados estaduais do PSL contrária à iniciativa.
"A gente respeita o ponto dela, só que a gente discorda frontalmente. Tem quem saiba conviver com a discordância e tem quem não", diz Gil. Segundo ele, divergências são comuns em qualquer agremiação, e "o PSL está adquirindo uma identidade agora, foi uma sigla que aglutinou gente de diferentes origens".
A eventual partida de Janaina esbarra em uma discussão sobre o pertencimento do mandato e pode ter que ser decidida na Justiça. Se ela pedir desfiliação hoje, corre o risco de perder a cadeira, que passaria a ser ocupada por outro candidato do PSL.
Para manter o mandato, uma alternativa para a deputada seria abrir um processo sob a alegação de que sofreu perseguição na sigla. Um juiz precisaria, então, concordar com o argumento. A possibilidade de ela permanecer no posto sem partido também dependeria de uma autorização judicial.
A saída menos traumática seria esperar o período próprio para transferências partidárias, previsto para abril de 2020. Em qualquer um dos casos, a saída não afetaria o mandato de colegas do PSL que obtiveram o mandato com a ajuda indireta de Janaina. Seu recorde de mais de 2 milhões de votos entrou no cálculo de cadeiras a que a legenda teria direito.
A presidência do partido em São Paulo acaba de ser assumida pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente. Gil Diniz será o principal auxiliar dele na função de estruturar a legenda para as eleições municipais do ano que vem.
Na semana passada, Eduardo ironizou uma mensagem de Janaina. Ele repostou um post em que a deputada pedia ao pai dele que deixasse de ouvir os próprios filhos e também o escritor Olavo de Carvalho. O deputado e dirigente afirmou: "Ainda bem que esse conselho não veio antes da eleição né...".

Joelmir Tavares, Folha de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário