quarta-feira, 29 de maio de 2019

BC quer permitir que pessoa física tenha conta em dólar no Brasil e em reais no exterior

Banco Central quer que pessoas físicas possam ter contas em dólar no Brasil, para facilitar remessas a quem tem dívidas ou obrigações a pagar na moeda americana, e também que possam manter contas em reais em outros países, afirmou o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, nesta quarta-feira (29).
​A medida, que faz parte de um projeto de conversibilidade cambial cuja minuta será apresentada pelo Banco Central em breve, está entre as medidas da Agenda BC# (antiga BC+), reestruturada pela gestão de Campos Neto.
cédulas de Dólar
Banco Central vai apresentar medida para que pessoas físicas tenham contas em dólar no Brasil - Marcello Casal Jr./ABr
“A gente estava interessado em simplificar o processo de conversibilidade cambial, e essa é uma das medidas que podem ser tomadas, mas é um objetivo de longo prazo”, afirmou.
Segundo ele, estabelecer um prazo é difícil porque “grande parte das coisas passa pelo processo legislativo”. “Acho que é uma agenda que deveria ser bastante amigável ao Legislativo porque é uma questão de simplificar o processo”, ressaltou, acrescentando que a preocupação com combate à lavagem de dinheiro está sendo endereçada.
Otávio Damaso, diretor do Banco Central, lembra que, em alguns setores da economia, já é permitido ter conta estrangeira no país, como seguros, infraestrutura, óleo e gás. “O projeto de modernização da legislação cambial é muito mais amplo e atinge outros objetivos. Naturalmente, com o fortalecimento do real lá para a frente a gente vai estudando gradualmente [a abertura, no Brasil, de contas em moeda estrangeira por pessoas físicas]”.
A ideia também é permitir a abertura de contas em reais em países da América Latina que tenham essa demanda por possuírem um relacionamento comercial com o Brasil. “É um tema que deve ser estudado, porque depende de relação de reciprocidade. Nós vemos que existe uma grande vontade dos países vizinhos de ter contas em reais”, afirmou.
Campos Neto disse que percebeu essa demanda vinda de bancos em cidades que fazem fronteira com o Brasil. “A demanda vem muito do que você transaciona e com quem você transaciona. Obviamente uma cidade que está perto do Brasil e faz negócios com o Brasil, talvez seja mais importante ter uma conta em reais do que em dólar.”
Para que isso aconteça, diz, é preciso que o Brasil esteja estável. “Como o Brasil é um grande pedaço do PIB (Produto Interno Bruto) da América do Sul, o Brasil é um país estável. Fazendo as reformas, caminhando para frente, com inflação estável, juros baixos e um crescimento maior e mais estável, obviamente vai ter uma demanda natural para que isso aconteça, porque as negociações vão acontecer dentro do bloco com o Braisl, e o Brasil é um pedaço importante da América do Sul”, disse.
A minuta buscará modernizar as regras no país, muitas delas criadas quando ainda havia a necessidade de as empresas protegerem seu balanço de pagamento de choques cambiais. O objetivo é adaptar o arcabouço legal para um cenário de câmbio flutuante e nível de reserva internacional mais elevado do que o que havia em décadas passadas.
Há outras travas menores, como a correspondência bancária em ordens, que impede mandar uma ordem de pagamento em real a outro país e pagar em real no exterior.

Danielle Brant, Folha de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário