domingo, 2 de julho de 2017

"Chapados e mentirosos: cinco apliques sobre drogas liberadas", por Vilma Gryzinski

Cigarro de Maconha
Cigarro de Maconha (Tomas Bravo/Reuters)

Veja

Com a legalização da maconha no Uruguai, mesmo com 60% da população contra, são reeditadas as mentiras de sempre para justificar o liberou geral


Muita coisa pode ser dita a respeito do uso de drogas. Dão uma incomparável sensação de bem-estar, aumentam a percepção, muita gente usa ou simplesmente fazem a humanidade e as festas ficarem menos insuportáveis.
Por que os defensores da legalização de substâncias psicotrópicas e correlatos não dizem a verdade a respeito? Porque sabem que as sensações de prazer proporcionadas pelas drogas são acompanhadas de altos riscos.
Daí as mentiras inventadas a pretexto de defender sua liberação. As mais frequentes:

1- A legalização das drogas diminui a criminalidade associada ao tráfico.

Dá para imaginar as “bocas” de São Paulo e do Rio de Janeiro, para ficar nas duas maiores cidades do país, magicamente transformadas em centros de estudos, cultura e alta tecnologia?
A criminalidade tem causas múltiplas e complexas. Mas o laboratório do Colorado, onde o fumacê recreativo foi aprovado em plebiscito estadual no fim de 2012, é um exemplo interessante.
Homicídios aumentaram em 14,7% entre 2014 e 2015. Os relacionados a tráfico da maconha subiram 70%. Estupros, 10%.
Detalhe importante: o número de homicídios no Colorado, um estado com apenas 5,5 milhões de habitantes, foi de 172 em 2015.
O mais próximo disso mo Brasil é Goiás, também um estado com grande atividade agro-pecuária. Homicídios em 2015: 2 651. Ou 31 por 100 mil habitantes. Aumento de 97% em dez anos.
Muitas pessoas podem querer fumar maconha, em Goiás ou no Colorado, sem qualquer risco de ser importunadas por agentes da lei. Mas alegar que a legalização diminui o crime não tem funcionado nem no Colorado. Imaginem em outros lugares.

2- Vício em drogas deve ser tratado exclusivamente como problema de saúde pública.

Se isso fosse um argumento válido, os centros de pesquisa sobre doenças virais e infecto-contagiosas deveriam estudar como introduzir no meio-ambiente mosquitos que transmitam a dengue de forma mais rápida. Ou estafilococos ultra-resistentes, o que está bem próximo da realidade.
Por que liberar substâncias que comprovadamente produzem riscos de vício e comportamentos perigosamente alterados? É possível dizer que os seres humanos estão bem acostumados a avaliar vantagens e desvantagens de inúmeros outros hábitos e isso varia conforme o momento histórico.
Mas o argumento da “saúde pública” é uma das falácias mais tolas.

3- O povo decidiu, está decidido.

No caso do Uruguai, não teve voto nenhum. Mais de 60% dos uruguaios se manifestam contra a legalização, desde que começaram as pesquisas sobre o tema.
O atual presidente, Tabaré Vázquez, que é oncologista e em mandato anterior estabeleceu normas proibindo cigarros em ambientes fechados, também era contra.
O sistema Maconhaguai, em que o estado concede licenças para o cultivo e vende maconha em farmácias, com a produção doméstica “limitada” a seis pés, saiu inteiramente da cabeça de Pepe Mujica, o presidente que já veio ao mundo meio embalado.
Entre suas criações, figura o Instituto de Regulamentação e Controle de Cannabis. Pode dar certo?

4- Maconha medicinal demonstra uso positivo.

É uma das “portas de entrada” mais comuns aos defensores da legalização. Aberta passivamente por inúmeros artigos, todos idênticos, sobre os benefícios para casos específicos de convulsões provocadas por epilepsia.
Só para lembrar, algumas substâncias que, antes de serem sintetizadas ou ainda em formas purificadas, têm uso medicinal: heroína, fonte do ópio e de outros agentes quase miraculosos na pacificação de dores; toxina botulínica, a bactéria assassina que redundou no Botox, o pacificador de rugas.
Sem falar no conhecido uso da cocaína como anti-depressivo durante a breve janela de oportunidade que existiu entre o fim do século 19 e o começo do 20. Aliás, na Austrália ainda existem casos de prescrição de cocaína como anestésico para feridas na região bucal.
Não é nenhum segredo que anestesia mesmo. Basta olhar nas Cracolândias como o pessoal se comporta.
Médicos, evidentemente, não podem esquecer esta parte: “A vida que professar será para benefício dos doentes e para meu próprio bem, nunca para prejuízo deles ou com malévolos propósitos.”

5- Fumar unzinho não prejudica ninguém.

É o argumento mais comum fora da esfera dos profissionais da liberação, os advogados ou outro especialistas pagos por ONGs para defender a legalização das drogas.
É também o mais honesto. Ou o menos hipócrita. Tem o poder da defesa do auto-interesse: “Quero fumar sossegado, sem fazer mal ninguém. De preferência, sem incentivar o crime”. Moralmente, é inválido. Mas os seres humanos também estão acostumados a malabarismos morais.
A título de curiosidade, os dez países onde mais os unzinhos são fumados: Islândia (18,3% da população), Estados Unidos (16,3%), Nigéria (14,3%), Canadá(12,7%), Chile (11,8%), França (11,1%), Nova Zelândia (11%), Bermuda (10,9%), Austrália (10,2%), Zâmbia (9,5%).
O Uruguai fica em décimo-primeiro lugar, com 9,3%. Será que a lei do Pepe Mujica vai melhorar esta colocação?

Nenhum comentário:

Postar um comentário