domingo, 30 de julho de 2017

Temer diz que Forças Armadas podem ficar no Rio até o fim de 2018

Presidente Michel Temer, ao lado do ministro da Economia, Henrique Meirelles, do ministro da Justiça, Torquato Jardim, e do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão

Carina Bacelar - O Globo

Na cidade para se encontrar com autoridades da área de Segurança e sobrevoar locais de atuação da Operação militar "Rio quer segurança e Paz", o presidente Michel Temer afirmou que a presença das Forças Armadas nas ruas do Estado podem ser estendidas até 2018. Em um pronunciamento que durou pouco mais de cinco minutos, o presidente também elogiou a colaboração dos cariocas para o sucesso das ações.
— O primeiro decreto assinado na última sexta prevê a atuação das Forças Armadas (no Estado) até o fim de 2017. Pode ser que, em janeiro, este prazo seja estendido até o fim de 2018. E nada impede também que esta ação seja ampliada para outros anos — afirmou Temer.
O presidente também disse que têm feito encontros desde o começo do ano com algumas autoridades para desenvolver políticas de segurança pública.
— Temos realizado nos últimos seis meses seguidas reuniões para tratar do assunto segurança pública, em especial da situação aqui no Rio. Num primeiro momento, a conclusão que se teve é que o número de roubos, em especial o de cargas, já diminuiu extraordinariamente — falou Temer.
Estiveram presentes no encontro o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão; o secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá; o comandante da PM, Coronel Wolney Dias; o chefe da Polícia Civil, Carlos Leba; o secretário estadual da Casa Civil, Christino Áureo; o ministro da Defesa, Raul Jungmann; o ministro da Justiça, Torquato Jardim; o general Braga Netto, comandante do CML; o prefeito do Rio, Marcelo Crivella; o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles; e o ministro-chefe da Secretaria Geral da presidência, Moreira Franco.
Após a reunião, Temer deve sobrevoar as áreas onde os agentes federais estão atuando na Região Metropolitana. A assessoria do CML não detalhou sobre quais pontos o presidente deverá passar. A visita relâmpago de Temer ao Rio, para mais uma agenda positiva, acontece às vésperas da votação da denúncia contra o presidente na Câmara.


ATUAÇÃO DESDE SEXTA
As Forças Armadas estão nas ruas do Estado desde sexta-feira, quando foi publicado o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). A segunda etapa da atuação no Rio terá como foco os arsenais de guerra das facções criminosas. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que a primeira fase da operação das tropas federais no Rio será curta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário