domingo, 2 de julho de 2017

Aposta de Doria é continuar sendo ‘teflon’ e antipetista número 1

Alberto Bombig - O Estado de S.Paulo


Poucos nomes apontados como postulantes à Presidência em 2018 possuem uma estratégia tão clara quanto o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB). Até agora, o plano político dele, em linhas gerais, consiste em martelar a tecla do antipetismo, manter-se fora da Lava Jato e apostar que a rejeição dos brasileiros a Michel Temer não vá contaminá-lo.
Sobre este último ponto, Doria, por enquanto, conserva aquilo que os políticos chamam de “candidato teflon”, o feito antiaderente consagrado pelas melhores frigideiras. Apesar do apoio a Temer, Doria manteve um bom patamar na mais recente pesquisa Datafolha (10%) e a rejeição dele (20%) é a segunda menor entre os avaliados pelo instituto. O desgaste de Temer não colou em Doria. O exemplo clássico do “teflon” é Lula, que já se abraçou com Maluf, Renan, Sarney e Jader Barbalho, mas só perdeu musculatura quando se agarrou a Joesley Batista e a Marcelo Odebrecht e acabou implicado na Lava Jato. Lula se mantém no topo da mesma pesquisa, porém sua rejeição é a mais alta.
Doria avalia que apoiar a gestão de Temer não lhe cobrará um preço alto. Na verdade, sairá até barato se o atual presidente conseguir tirar da frente de seu sucessor reformas e medidas impopulares, mas importantes para o País.
A outra perna da estratégia passa justamente por Lula. Numa eleição provavelmente coalhada de candidaturas, um nome que atraia para si o voto antipetista (ou antilulista) esclarecido terá grandes chances de avançar ao segundo turno. Por isso, Doria não se cansa de criticar Lula e falar de sua missão: derrotar o ex-presidente nas urnas.
Pragmático, o prefeito de São Paulo sabe que derrubar Temer agora é fazer o jogo de Lula e do PT, naturalmente, os grandes opositores do presidente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário