sábado, 28 de fevereiro de 2015

O cúmulo da cara de pau: desigualdade cubana é culpa do… capitalismo!

Com Blog Rodrigo Constantino - Veja




Igualdade na miséria, o resumo do socialismo. Fonte: GLOBO
Tenho uma regra que sigo religiosamente, sem jamais ter quebrado a cara com ela: jamais subestimar a cara de pau dos esquerdistas. Ela, assim como o universo de Einstein, tende ao infinito. Acha que exagero? Então veja a nova, publicada no NYT, ícone da esquerda caviar americana: a desigualdade cubana é culpa do capitalismo!
Com Cuba abrindo cada vez mais a porta para a iniciativa privada, o fosso entre os que têm e os que não têm — e entre brancos e negros — que a revolução procurou diminuir está cada vez mais evidente. E essa divisão deve crescer agora que os Estados Unidos estão aumentando a quantidade de dinheiro que os cubano-americanos podem enviar à ilha para US$ 8 mil por ano, bem acima dos US$ 2 mil, como parte do degelo histórico do presidente americano Barack Obama com Cuba.
[...]
— As remessas têm produzido novas formas de desigualdade, especialmente a desigualdade racial — explica Alejandro de la Fuente, diretor do Instituto de Pesquisa sobre Afrodescendentes na Universidade de Harvard. — Agora, as remessas estão sendo utilizadas para financiar ou criar empresas privadas, isto é, não apenas para financiar o consumo, como no passado.
[...]
Mas os mais pobres ficam frustrados ao verem o estado de bem-estar social se deteriorando e a vantagem que os cubanos com acesso a dinheiro de fora têm na nova economia.
— À medida que Cuba vem se tornando mais capitalista nos últimos 20 anos, vem se tornando também mais desigual — afirma Ted Henken, professor do Baruch College que estuda a economia cubana. — Essas favelas estão por toda a América Latina, e a tentativa da revolução de resolver a desigualdade foi eficaz até certo ponto e por um tempo. Mas, com o aumento do capitalismo, você tem algumas pessoas mais bem posicionadas para tirar proveito e outras não.
A obsessão da esquerda com a desigualdade é um fenômeno estranho, pois revela a inveja de seus membros, disfarçada de altruísmo e preocupação com os mais pobres. Notem que Cuba é um fosso de desigualdade hoje, pois a nomenklatura controla tudo e goza de privilégios e vida mansa, enquanto o restante da população vive na miséria. Mas não é essa desigualdade que incomoda a esquerda. É aquela entre os que antes estavam igualmente na miséria, e agora começam a prosperar um pouco em ritmo diferente.
Chamar Cuba de capitalista é uma piada de mau gosto. Mas o pouco de abertura que a ditadura comunista permitiu, por extrema necessidade, foi o suficiente para fazer com que alguns, mais ousados, empreendedores, esforçados ou sortudos, despontassem com algum sucesso comercial. Melhoraram de vida em relação aos demais miseráveis, mas sem subtrair nada deles. Não importa. O foco da esquerda não é a melhoria de vida de alguns com as tímidas reformas liberalizantes, mas o aumento da desigualdade entre eles e os que continuaram na mesma.
Eis aí a prova da infinita cara de pau da esquerda: já conseguiram culpar o capitalismo inexistente pelos problemas na ilha-presídio comunista. É mole ou quer mais?

Nenhum comentário:

Postar um comentário