quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Dilma avisa Temer da troca de 'nada' por 'coisa nenhuma', Ou de Mercadante por Jaques Wagner

Isabel Braga e Simone Iglesias - O Globo




O ministro da defesa Jacques Wagner, cotado para substituir Aloizio Mercadante na Casa Civil - André Coelho / Agência O Globo


A presidente Dilma Rousseff comunicou ao vice Michel Temer no fim da manhã desta quarta-feira sobre a troca nas pastas. A presidente resistia em tirar Aloizio Mercadante do Palácio do Planalto, mas a pressão do PT foi intensificada após a decisão da presidente de dar ao PMDB o Ministério da Saúde. Sem esta pasta, os petistas se viram com menos poder no governo e vinham reclamando da atuação de Mercadante. A ida de Jaques Wagner para a Casa Civil atende a um pedido do ex-presidente Lula que o considera mais habilidoso para o cargo.

Além de atender ao PT e a Lula, a saída de Mercadante da Casa Civil deve garantir uma melhora nas relações com o PMDB e com o Congresso, muito desgastadas pelo perfil considerado "arrogante" de Mercadante pelos parlamentares e pela maioria dos peemedebistas.

Ao chegar na manhã desta quarta-feira para participar de audiência na Comissão de Relações Exteriores da Câmara, o ministro da Defesa, Jaques Wagner, disse que, se for convidado para assumir a Casa Civil, assumirá essa tarefa. Em rápida entrevista, o ministro disse que por enquanto a saída de Mercadante da Casa Civil e a escolha de seu nome para ocupar a pasta é 'especulação'.



— Só especulação. Por enquanto sou ministro da Defesa, tanto que estou aqui atendendo ao convite da comissão. Se for efetivado o convite, a gente sempre assume a tarefa. Sou parte desse projeto, no que eu puder ajudar, vou continuar ajudando — disse Jaques Wagner, ao responder a pergunta de jornalista que indagou se ele estaria preparado para assumir a Casa Civil.

Conforme mostrou o GLOBO em edição de hoje, o ministro Mercadante deve trocar a Casa Civil pelo ministério da Educação, pasta que já ocupou anteriormente.

ALDO REBELO NO MINISTÉRIO DA DEFESA

Com a saída de Wagner para a Defesa, Aldo Rebelo (PCdoB-SP) será remanejado para a função. Ontem à noite, a cúpula do PMDB também recebeu a garantia de Dilma que Helder Barbalho, ministro da Pesca, irá para os Portos, já que sua atual pasta será extinta. Helder esteve com Dilma no começo da noite de ontem, no Palácio do Planalto, quando foi comunicado do fechamento da Pesca.

A nova Secretaria de Governo, a ser comandada pelo petista Ricardo Berzoini, vai englobar a Secretaria das Micro e Pequenas Empresas, o Gabinete de Segurança Institucional e a Secretaria Geral, todos atualmente com status de ministério.

A relação com os movimentos sociais, hoje de responsabilidade da Secretaria Geral, será transferida para o novo Ministério da Cidadania, que deve ser comandado pelo petista Miguel Rossetto.

A conversa entre a presidente Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava marcada para hoje, deve ser transferida para amanhã. O presidente do PT, Rui Falcão, disse ontem aos senadores petistas que, assim como a maioria do partido, está insatisfeito com a perda de espaço no governo para acomodar o PMDB.

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, passou a manhã na Liderança do Governo na Câmara, recebendo parlamentares que têm demandas da área. Uma das mudanças que estão sendo cogitadas na reforma ministerial que deverá ser anunciada até amanhã pela presidente Dilma Rousseff é a possível saída de Ferreira do cargo. A prática de receber deputados para conversar na Liderança do Governo é comum. Na semana passada, por exemplo, o ministro Patrus Ananias esteve quase que um dia todo na liderança, conversando com parlamentares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário