segunda-feira, 22 de maio de 2017

Temer justifica encontro com ação da PF que não tinha ocorrido

Veja

Ao jornal 'Folha de S. Paulo' presidente diz ter achado que Joesley queria falar com ele por causa da Operação Carne Fraca, que só ocorreria dez dias depois


Michel Temer faz novo pronunciamento sobre escândalo envolvendo Joesley Batista, da JBS
Michel Temer faz novo pronunciamento sobre escândalo envolvendo Joesley Batista, da JBS (NBR/Reprodução)
No dia 7 de março, às 22h40, o presidente Michel Temer (PMDB) recebeu no Palácio do Jaburu, em Brasília, o empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS. Desde que uma gravação da conversa foi divulgada na semana passada, o presidente se esforça para justificar a razão de ter recebido um investigado em cinco inquéritos da Polícia Federal (PF), fora da agenda oficial, em um encontro noturno.
Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, publicada nesta segunda-feira, Temer, questionado sobre o motivo para a reunião, afirmou: “Quando [Joesley] tentou muitas vezes falar comigo, achei que fosse por questão da [Operação] Carne Fraca”, disse, referindo-se à ação da PF para apurar corrupção envolvendo frigoríficos e funcionários do Ministério da Agricultura.
Seria uma boa justificativa, uma vez que o setor de carnes, do qual o grupo comandado por Joesley é um dos principais expoentes, foi o mais afetado, não fosse por um detalhe: a operação foi deflagrada apenas dez dias após o encontro do presidente com o empresário.
Uma hipótese é que Temer já soubesse da operação dez dias antes de ela ocorrer, mas seria grave que ele tratasse disso justamente com um dos empresários alvos da investigação. Em entrevistas após a deflagração da Carne Fraca, o presidente e seus principais auxiliares evitaram se posicionar em um primeiro momento, alegando terem sido surpreendidos com a movimentação da PF e que ainda precisavam se inteirar dos fatos.
Procurada por VEJA, a assessoria de imprensa de Temer informou que ele “se equivocou” a respeito da razão para ter se encontrado com Joesley.

Renúncia


Na mesma entrevista, Temer voltou a negar que vai renunciar ao cargo e disse que isso seria um atestado de culpa. “Se quiserem, me derrubem, porque, se eu renuncio, é uma declaração de culpa”, afirmou.
Sobre o fato de Joesley ter dito que ele havia concordado com pagamentos para silenciar o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Temer afirma que sua frase foi proferida quando o empresário afirmou: “Olhe, tenho mantido boa relação com o Cunha”. “[E eu disse]: “Mantenha isso”. Além do que, ontem mesmo o Eduardo Cunha lançou uma carta em que diz que jamais pediu [dinheiro] a ele [Joesley] e muito menos a mim.”
Questionado sobre qual seria sua culpa, Temer diz que foi a ingenuidade. “Fui ingênuo ao receber uma pessoa naquele momento.” O presidente afirma desconhecer que Joesley era investigado e minimizou o fato de receber o empresário tarde da noite, em um encontro que não constava da agenda oficial. “Você sabe que muitas vezes eu marco cinco audiências e recebo quinze pessoas. Às vezes à noite, portanto inteiramente fora da agenda.”
Temer voltou a criticar a forma como foi gravado e o fato de os irmãos Joesley e Wesley Batista terem tido um tratamento diferente do que foi dispensado a outros investigados. “Ele não teve uma informação privilegiada, ele produziu uma informação privilegiada. Ele sabia, empresário sagaz como é, que no momento em que ele entregasse a gravação, o dólar subiria e as ações de sua empresa cairiam. Ele comprou US$ 1 bilhão e vendeu as ações antes da queda.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário