segunda-feira, 8 de maio de 2017

Lula transformou o Palácio do Planalto num covil de matar de inveja Adhemar, Maluf e Collor. Por isso, tenta escapar de Moro

(Atualizado às 08h30)

A mídia comete um equívoco ao exaltar o depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro como se fosse 'o encontro do século'. E outras baboseiras. Moro vai ouvir um réu. E um réu é um réu. Seja ele Marcola, Beira Mar ou Lula, que fez muito mais mal ao Brasil que qualquer outro bandido.  


Farsante irrecuperável e de longe o grande corrupto da história do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva foge da Justiça como se a essa altura isso fosse possível.

Cinicamente, tenta escapar de Sérgio Moro, depoimento agendado para esta quarta-feira.

Bufão, vinha discursando que estava ansioso para falar com o juiz e provar que é inocente. Com a aproximação da hora da verdade, e após ter sido definitivamente desmascarado por Marcelo Odebrecht e, sobretudo, por Renato Duque, ex-diretor da Petrobras, Lula mais uma vez acovarda-se e tenta fugir de Moro como o diabo da cruz.

Desmoralizado, a ideia de passar o resto de seus dias no xadrez é algo que ele subestima desde sempre. Durante o regime militar serviu aos generais como a mesma 'generosidade' que serviu aos empresários das montadoras de automóveis e, posteriormente, aos empreiteiros, como revelou Emílio Odebrecht.

Lula sempre foi um lacaio do poder. Ou, como definiu Golberty, um 'bom vivant'.

O corrupto descarado que hoje pose de vítima deveria estar no xilindró desde o mensalão, se capangas seus, como Dirceu e Delúbio, não 'assumissem' os crimes, acobertando o chefe vigarista.

Petistas de carteirinha vinham protegendo o chefe da organização criminosa.

Agora, Palocci disse ao juiz Moro que está à disposição para falar o que sabe.

E, o que Palocci sabe é que, se no Brasil sempre houve corrupção, a bandalheira foi à estratosfera nos 13,5 anos em que o PT esteve no poder e Lula transformou o Palácio do Planalto num covil de matar de inveja Adhemar de Barros, Paulo Maluf e Collor de Mello.

Lula teme Moro como o diabo da cruz 




Nenhum comentário:

Postar um comentário