quarta-feira, 17 de maio de 2017

Guerra de reportagem entre 'NYT' e 'WP' põe Trump contra a parede

Nelson de Sá - Folha de São Paulo


A "bomba" do pedido de Donald Trump para o FBI encerrar investigação abriu as auto-congratulações na imprensa americana, via Twitter e TV. Foi a segunda na nova fase de uma "guerra de reportagem" entre os dois maiores jornais americanos: "New York Times" na terça, "Washington Post" na segunda.

Um concorrente anotou que o horário de explosão agora é sempre às 17h. Outro, que o repórter Michael S. Schmidt é o mesmo que revelou e-mails de Hillary Clinton"Muito respeito".

O repórter escreveu no "NYT" que o documento com a anotação do ex-diretor do FBI "é a prova mais clara de que o presidente tentou influenciar a investigação". E que antes Trump sugeriu que ele "devia considerar pôr repórteres na prisão por publicar informação confidencial".

Até então o "WP" estava na frente. A notícia de que o presidente revelou segredos de espionagem havia batido seu recorde de leitores por segundo —que era do vídeo em que Trump falava vulgarmente de mulheres— em meio a aplausos na Redação.

Do outro lado, Matt Drudge, editor do "Drudge Report", havia atravessado o dia acusando Jeff Bezos, dono do "WP" e da Amazon, de comandar uma investida pessoal contra Trump —que o ameaçou com processo antitruste durante a campanha eleitoral.

A "bomba" do "NYT" calou Drudge, que só conseguiu então linkar a reportagem, com o aviso na manchete de que "Começa a vingança de Jim Comey", que foi demitido do FBI por Trump.


WEEVLOS

"Wall Street Journal" noticiou sem maior destaque que as investigações do vazamento da campanha de Emmanuel Macron, às vésperas da eleição na França, apontam para um hacker americano, Weevlos ou Andrew Auernheimer, "que mantém um site neonazista ".

Até então, o episódio vinha sendo creditado à Rússia.


NSA, NÃO

O presidente da Microsoft, em post, cobrou a agência americana de espionagem eletrônica NSA pelo ataque cibernético dos últimos dias, no mundo. O presidente da Rússia, país mais atingido, citou a Microsoft e também criticou o governo dos EUA, via France Presse.

E na terça a imprensa americana, "NYT""WP" e "WSJ" à frente, ouvindo "funcionários dos EUA", afirmou que a culpa pode ser da Coreia do Norte.


NA ATIVA

Chelsea Manning, 29, soldado transexual que vazou dados dos Departamentos de Estado e Defesa para o WikiLeaks, deve ser libertada nesta quarta. A agência de notícias Press Association foi ouvir sua mãe galesa, que mandou uma mensagem: "Go, girl!".

"USA Today" diz que ela manterá seu plano de saúde e receberá novas tarefas no exército americano.

Reprodução
No 'FT', Partido Trabalhista cresce em pesquisas às vésperas de eleição
O TRABALHISTA SOBE
Entre os textos mais lidos no "Financial Times" de terça, quatro pesquisas mostram um salto de 5 pontos em média para o partido de Jeremy Corbyn, acima, nas eleições parlamentares convocadas para junho no Reino Unido.

Com cerca de 30% das intenções de voto, é o mesmo patamar de "eleições passadas", com líderes mais conservadores e menos questionados.

Reprodução
João Dória Jr. foi à Bloomberg, em Nova York, e admitiu candidatura a presidente
'WHY NOT?'
O governador Geraldo Alckmin, na segunda, e o prefeito João Dória Jr., na terça, foram até a Bloomberg em Nova York declarar, para o correspondente Raymond Colitt, que aceitam se candidatar a presidente em 2018. Do segundo: "Por que não?".

Nenhum comentário:

Postar um comentário