segunda-feira, 15 de maio de 2017

Engordar pode causar disfunção sexual no homem?

Claudia Cozer Kalil - Veja


O aumento da infertilidade masculina é diretamente proporcional à obesidade. A cada 9 kg acima do peso, aumenta-se em 10% a tendência à infertilidade


Homem obeso
Homem obeso (iStockphoto/Getty Images)
Os últimos 40 anos foram marcados por uma elevação da obesidade em todo o mundo, de forma que dados atuais chegam a um número de 700 milhões de obesos. No sexo masculino, a proporção praticamente triplicou (17,5%). Dentre todas as comorbidades que vêm com a obesidade, não podemos achar menos relevante a infertilidade e impotência masculina, muito menos tratá-la como tabu.

Obesidade, impotência e infertilidade

infertilidade, problema que afeta um em cada 13 casais, caracteriza-se pela ausência de concepção após um ano de relação sexual sem proteção. É importante notar que o aumento da infertilidade masculina é diretamente proporcional à obesidade, uma vez que a cada nove quilos acima do peso, aumenta-se em 10% a tendência à infertilidade. Em razão disso, estima-se que 80 milhões de indivíduos obesos do sexo masculino possuem esse problema. Além disso, conforme um levantamento realizado, o homem é o responsável pela infertilidade em 30% dos casais.
O paciente obeso apresenta queda da libido, dificuldade de ereção, piora no desempenho sexual, diminuição do tamanho testicular, bem como baixa contagem de espermatozoides no sêmen e deterioração em sua qualidade. Baixos níveis plasmáticos de testosterona e pouca resposta terapêutica a estimulantes sexuais também são elementos notáveis nesses indivíduos.
Estudos mostram que homens com IMC maior que 30 kg/m² têm menor concentração seminal e os com circunferência abdominal acima de 94 centímetros, maior dificuldade de ereção.
A obesidade, quando associada a outras condições, pode agravar a infertilidade e impotência. São exemplos dessas condições o diabetes tipo 2, hipertensão arterial, apneia obstrutiva do sono, tabagismo, câncer e dislipidemia.
O quadro de obesidade, infertilidade e impotência impacta negativamente a autoestima, o bem-estar emocional e social, além da qualidade de vida. Isso pode favorecer o aparecimento de quadros depressivos, os quais podem gerar um aumento ainda maior no peso.

Mas como o excesso de peso causa todas essas alterações no corpo?

Os obesos têm mais problemas vasculares, o que pode reduzir o fluxo de sangue para o pênis, fluxo este que sustenta a ereção. Ressalte-se ainda que esses pacientes também apresentam menores níveis de testosterona (hormônio masculino) e maior produção pelo tecido adiposo de estradiol (hormônio feminino). Esse desbalanço hormonal é proporcionado pelo aumento do número de células adiposas, elevação dos níveis de insulina, diminuição da relação FSH/LH , diminuição da inibina (proteína produzida pelas células de sertoli no testículo) e diminuição dos níveis de SHBG (proteína produzida pelo fígado que é carreadora da testosterona).
Em suma, todo o eixo responsável pela produção de testosterona e espermatozoides entra em colapso devido às alterações causadas pelo excesso de gordura corporal.
Muitos acreditam que apenas com a reposição de testosterona é possível resolver o problema. No entanto, ela não funciona como medicamento para o tratamento da obesidade, além de não ser eficaz em combater as queixas em grande parte dos casos.
A boa notícia é que as modificações são reversíveis mediante controle do peso, diminuição da gordura abdominal e melhora no estilo de vida.
Referências: Cent European J Urol. 2015; 68(1): 79–85

Claudia Cozer Kalil
(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologistaAdriana Vilarinho, dermatologistaAna Claudia Arantes, geriatraAntonio Carlos do Nascimento, endocrinologistaAntônio Frasson, mastologistaArtur Timerman, infectologistaArthur Cukiert, neurologistaBen-Hur Ferraz Neto, cirurgiãoBernardo Garicochea, oncologistaClaudia Cozer Kalil, endocrinologistaClaudio Lottenberg, oftalmologistaDaniel Magnoni, nutrólogoDavid Uip, infectologistaEdson Borges, especialista em reprodução assistidaFernando Maluf, oncologistaFreddy Eliaschewitz, endocrinologistaJardis Volpi, dermatologistaJosé Alexandre Crippa, psiquiatraLudhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, 
psiquiatraLuiz Kowalski, oncologistaMarcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologistaMarianne Pinotti, ginecologistaMauro Fisberg, pediatraMiguel Srougi, urologistaPaulo Hoff, oncologistaPaulo Zogaib, medico do esporteRaul Cutait, cirurgiãoRoberto Kalil – cardiologistaRonaldo Laranjeira, psiquiatraSalmo Raskin, geneticistaSergio Podgaec, ginecologistaSergio Simon, oncologistaWalmir Coutinho, endocrinologista

Nenhum comentário:

Postar um comentário