sábado, 27 de maio de 2017

A cultura de excelência de Jorge Lemann

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo


Livro conta história da Fundação Estudar, criada 

pelos sócios da Ambev e do Burger King



A Estudar surgiu em 1991 pelas mãos de três dos maiores nomes do capitalismo brasileiro – Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, sócios do fundo 3G Capital, dono da AB Inbev e do Burger King. Hoje, a Estudar concede também bolsa de estudos de graduação e é vista como um centro de difusão da cultura da fundação e das companhias – principalmente da Ambev – comandadas pelo trio. Meritocracia, busca por excelência, senso ético, transparência, trabalho árduo e metas ousadas resumem essa cultura.
“É uma cultura fascinante e da qual o Brasil precisa. Mas não é para toda hora, nem para todos. Ela exige muito. E não é todo mundo que tem disposição para ser protagonista o tempo todo”, diz Cohen, que já foi editor executivo da revista Exame e redator-chefe daÉpoca.
Jorge Paulo Lemann
Meritocracia é difundida por Lemann Foto: Felipe Rau/Estadão
Segundo o autor, Cultura de Excelência se propõe a ajudar quem se identifica com os propósitos da fundação. “A ideia é inspirar pessoas não necessariamente para entrarem (na Fundação), mas para seguirem um caminho. O livro reúne mais que histórias de sucesso, são histórias de batalha.”
No trajeto da estudante Tábata, por exemplo, aparecem dificuldades financeiras, uma dezena de medalhas de olimpíadas de ensino, participações em competições desse gênero na China e na Turquia, além de uma transformação no modo de enxergar o mundo. Quando criança, Tábata tinha uma visão maniqueísta de pobres e ricos – o primeiro grupo sofria e o segundo não dava atenção a isso –, conceito que se modificou ao longo dos anos. “Gosto da mudança de mentalidade que ela teve depois de perceber que há pontes, caminhos e diversas circunstâncias.”
Além da história de bolsistas da fundação (o autor entrevistou 40 dos 617 que já foram beneficiados), o jornalista conta como é o processo de seleção da Estudar. Ele presenciou algumas das entrevistas que selecionam anualmente 30 estudantes entre 60 mil candidatos. “Se você fosse presidente do Brasil, qual a primeira coisa que faria?” foi uma das perguntas que Cohen presenciou. Os que deram respostas certeiras eram, em sua maioria, profissionais e estudantes ambiciosos e obstinados que refletiam a cultura da fundação.
“É uma cultura (da Fundação Estudar) que exige muito. Não é todo mundo que tem disposição para ser protagonista o tempo todo.”
Serviço:
Livro: Cultura da excelência
Autor: David Cohen
Editora: Sextante (208 págs.)
Preço: R$ 39,90

Nenhum comentário:

Postar um comentário