segunda-feira, 22 de maio de 2017

Temer desiste de suspender inquérito no STF e contrata perícia particular

Atualizado às 17h55


Pedro Ladeira/Folhapress
BRASILIA, DF, BRASIL, 21-05-2017, 16h00: O presidente Michel Temer durante entrevista exclusiva à Folha na biblioteca do Palácio da Alvorada. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER) ***EXCLUSIVO***
O presidente de Brasil, Michel Temer, durante entrevista à Folha

Letícia Casado - Folha de São Paulo

A defesa de Michel Temer formalizou nesta segunda-feira (22) no STF (Supremo Tribunal Federal) a desistência do pedido de suspensão do inquérito relativo ao presidente da República.

O pedido seria julgado nesta quarta-feira (24) pelo plenário do STF, mas a presidente da corte, Carmen Lúcia, decidiu aguardar o resultado da perícia na gravação entre Temer e o empresário Joesley Batista.

O julgamento do pedido de Temer vinha sendo encarado pelo mundo político como crucial para definir se o peemedebista teria condições de tentar permanecer no cargo. Uma negativa poderia ser a senha para que partidos governistas ampliassem o desembarque da gestão.

No inquérito de Temer, aberto pelo ministro Edson Fachin, a Procuradoria-Geral da República aponta suspeita de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de Justiça. O áudio gravado por Joesley é um dos elementos da investigação.

Os advogados Antonio Caludio Mariz de Oliveira e Sérgio Eduardo Mendonça de Alvarenga, que assinam a petição de formalização da desistência, afirmam já estar satisfeitos com a determinação de Fachin de que o que o áudio seja periciado no "menor prazo possível" pelo Instituto Nacional de Criminalística, da Polícia Federal.

"Como vem repetindo publicamente, o presidente da República é o maior interessado na rápida e cabal elucidação dos fatos", escrevem os advogados.

A defesa de Temer afirmou que encomendou uma perícia particular. "A partir do resultado dessa nossa perícia o presidente quer que essa situação seja esclarecida o mais rapidamente possível", disse Gustavo Guedes, um dos advogados da defesa de Temer. "O importante é que em relação ao presidente a prova que há é o áudio, não há nada mais. E esse áudio, segundo as perícias, é na nossa avaliação imprestável."

A PGR, porém, lista outras suspeitas contra Temer, como o recebimento de R$ 500 mil pelo deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), aliado do presidente da República.


Nenhum comentário:

Postar um comentário