quarta-feira, 3 de maio de 2017

"Ação revolucionária", por Ruy Castro

Folha de São Paulo


Joao Pedro Durão/Fotoarena/Folhapress
Pedestres obeservam os estragos feitos na manifestacao de ontem durante Estragos após manifestação Rio de Janeiro. RIO DE JANEIRO/RJ, Brasil 08/10/2013. (Foto: Joao Pedro Durão / Fotoarena) ORG XMIT: (19684) Estragos após manifesta *** PARCEIRO FOLHAPRESS - FOTO COM CUSTO EXTRA E CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS ***
Pedestre observa fachada de vidro quebrada durante protesto no Rio de Janeiro


Um dos grandes momentos do protesto da última sexta-feira (28) foi a batalha entre um grupo de manifestantes e uma loja de móveis da avenida Rio Branco. Começou quando, na esteira dos gritos contra o desmonte da Previdência que pretende reduzir o povo brasileiro a um exército de miseráveis, um grupo se desgarrou e se viu diante da dita loja. Ora, todos sabem que, assim como os bancos, nada simboliza mais o capitalismo desalmado, cruel e assassino do que uma loja de móveis. A massa, portanto, partiu para o ataque.

As portas de vidro não foram obstáculo para os militantes da causa que busca salvaguardar os direitos dos trabalhadores espoliados pelo governo ilegítimo do presidente golpista Michel Temer. Em poucos minutos, sob paus e pedras arremessados com precisão revolucionária, elas foram ao chão, e os companheiros e companheiras entraram para mostrar ao governo e a seus lacaios que eles pertencem à lata de lixo da história.

O que se viu, então, foi previsível: os móveis, apavorados, tentando escapar da ação dos movimentos de resistência a essa política que condena a atual e as futuras gerações a uma vida laboral sem direitos, sem justiça e sem respeito.

Acovardadas, as cadeiras corriam para debaixo das mesas. Outras tentavam se proteger debaixo das camas, e estas batiam desesperadas à porta dos armários a fim de se esconder. Em vão. As cadeiras foram atiradas contra os espelhos, as mesas tiveram suas pernas arrancadas e transformadas em porretes, e estes reduziram os armários a esqueletos. As cômodas, muito gordas para se locomover, eram facilmente viradas. Uma cristaleira foi acuada no fundo do corredor e convertida em cacos. Os móveis de cozinha foram poupados, mas não escaparam de ser confiscados e levados dali.

Lá fora, oito ônibus eram pacificamente incendiados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário