segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

João Santana: mais que um marqueteiro da dupla medonha Lula-Dilma

Leandro Loyola - Epoca

Por dez anos, ele uniu o poder de responsável pela imagem dos governos do PT com o de conselheiro de Dilma Rousseff



João Santana com a presidente Dilma e o ex-presidente Lula. (Foto: Ricardo Stuckert)


Na noite de 1o de setembro de 2014, toda a cúpula de comando da campanha de Dilma Rousseff à reeleição sentou-se à mesa para jantar no hotel Unique, em São Paulo, após o debate no SBT. Era claro a todos àquela altura que Marina Silva representava um perigo. Empurrada pela comoção da morte de Eduardo Campos, a candidata do PSB suplantara o tucano Aécio Neves e aparecia até mesmo à frente de Dilma nas simulações para o segundo turno. Na frente de Dilma, Lula, do ex-ministro Franklin Martins e do ministro Aloizio Mercadante, João Santana avisou que era preciso antecipar as dificuldades futuras. “Nessa toada, a gente perde no segundo turno”, disse. Era hora de atacar Marina com vigor, estancar sua subida. João ganhou carta branca. Trabalhou naquela noite e, no dia seguinte, tinha os comerciais para rachar o mito Marina. Dilma, Lula e o PT confiavam tanto em João Santana que as peças não seguiram o rito normal dos testes prévios em pesquisas qualitativas. Foram direto ao ar. Após dias de pancadaria forte das peças, Marina murchou. 

João Santana construiu, desde 2006, uma carreira muito maior que a do marqueteiro vencedor de eleições. Ganhou a confiança e atingiu a condição de dono da imagem do PT e do governo. Tornou-se conselheiro de uma presidente que não ouve quase ninguém. Dilma recorria a Santana quando havia alguma iniciativa de governo que precisava ser batizada ou embalada para o público. Em 2013, a reclusa Dilma passou a frequentar mais eventos e, sempre que podia, a tirar fotos com mulheres e crianças. Não era instinto, mas conselho de João Santana, para suavizar sua imagem para a campanha eleitoral. As conversas entre os dois eram frequentes até a reeleição. Nunca ocorreram no Palácio do Planalto, mas em almoços no Palácio da Alvorada, a residência oficial, resguardada de curiosidades. Em 2013 e 2014, periodicamente Santana ia a Brasília para conversas com Dilma no Alvorada.

Tal proximidade não passa despercebida no mundo político. Entre as mensagens apreendidas pela Polícia Federal na semana passada, aparece um longo e-mail no qual o ex-ministro Mangabeira Unger pede ajuda a Santana para falar com Dilma. “Você tem como dar um empurrão para eu falar com a PR?”, diz Mangabeira. Em outra mensagem, o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, repassa dados da CPMF e menciona uma campanha sobre as Olimpíadas. “João, tudo bem? Estou mandando material da CPMF”, diz Edinho. “A Presidenta pediu que eu ouvisse sua opinião sobre o que seria uma campanha para as Olimpíadas (...) Aguardo sua opinião.”
Uma enrascada da qual o PT não conseguiu se livrar abriu todo esse espaço a João Santana. Duda Mendonça, o marqueteiro de Lula e do PT, foi abraçado pelo escândalo do mensalão em 2005. Teve de confessar ter recebido dinheiro de caixa dois no exterior. Escapou da prisão, mas saiu de cena. Convidado pelos então ministros Antonio Palocci e Gilberto Carvalho para substituí-lo, João Santana aportou em Brasília e articulou uma bem-sucedida reviravolta publicitária, na qual o governo Lula e as conquistas sociais eram umbilicalmente associadas. Deu certo.
Quem quer um marqueteiro técnico, que analisa números e pesquisas para planejar estratégias, não deve procurar João Santana. Ele é um profissional mais instintivo, com facilidade para captar uma ideia e criar slogans, nomes, uma embalagem. São de sua lavra, por exemplo, nomes como Minha Casa Minha Vida e Mais Médicos, dois dos mais conhecidos programas do governo petista.
A expansão de sua influência no PT – e, agora sabe-se, a proximidade com a construtora Odebrecht – levou Santana a fazer campanhas no exterior. Começou com a eleição de Mauricio Funes, em El Salvador, em 2009. Depois disso, elegeu mais cinco presidentes estrangeiros: Danilo Medina, na República Dominicana, em 2012; Hugo Chávez, na Venezuela, em 2012; José Eduardo dos Santos, em Angola, em 2012; e Nicolás Maduro, na Venezuela, em 2013. Perdeu uma eleição, no Panamá, com José Domingos Arias. Depois da campanha de 2014, João Santana sumiu do Brasil. Não voltou nem para a segunda posse de Dilma. Enviou o discurso, escrito com Sandra Brandão, reduzido no Palácio do Planalto por estar um pouco longo. João só reapareceu em 2015, para fazer o programa do PT, em março, aquele que foi recebido com panelaços em algumas capitais enquanto Dilma e Lula recitavam na TV os textos escritos por ele.


Nenhum comentário:

Postar um comentário