quinta-feira, 13 de abril de 2017

Porto de Mariel, em Cuba, foi pedido de Chávez a Lula, maior corrupto do Brasil, diz Emílio Odebrecht

Daniel Pereira, Felipe Frazão, Hugo Marques, Marcela Mattos, Renato Onofre, Robson Bonin, Rodrigo Rangel, Thiago Bronzatto - Veja


Demanda de Chávez foi apresentada a Lula em 2007. Petista concordou com a obra e manobrou para que o BNDES financiasse o porto em Cuba


Nos depoimentos da delação premiada, o empreiteiro Emílio Odebrecht narra um encontro que teve com o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, em 2007, em Caracas. Na conversa, Chávez, que morreu em 2013, pediu a Emílio que a Odebrecht construísse um porto em Cuba, como forma de ajudar o regime de Fidel Castro, morto no ano passado. O empreiteiro relata que concordou em fazer a obra, mas pediu ao presidente venezuelano que falasse com o ex-presidente Lula, para que o Brasil financiasse o projeto do Porto de Mariel.
“Chávez tinha uma relação muito intensa com Fidel, ao ponto de fazer preços camaradas na venda de barris de petróleo para Cuba. Ele me pediu que nós procurássemos viabilizar um programa de um porto lá em Cuba, porque era muito importante para os cubanos. Eu disse, olha chefe, nós trabalhamos nos Estados Unidos, um assunto desse de dinheiro, com tudo que Cuba tem de restrição, não é fácil viabilizar o esquema financeiro. Um pedido do senhor é algo que vou encontrar uma forma de atender. Agora, eu precisaria que o governo brasileiro estivesse engajado nesse projeto e também solicitasse [a construção do porto] a Odebrecht. Eu não gostaria de tomar essa iniciativa sozinho. O  senhor, que tem uma boa relação como presidente Lula, poderia ligar para ele e transmitir isso. De fato, Chávez fez a ligação. Logo depois desse encontro, o Lula me convocou dizendo que tinha recebido um telefonema do Chávez transmitindo o encontro que teve comigo e que estava na linha de apoiar o programa de Cuba do Porto de Mariel”, diz Emílio Odebrecht.
Segundo o empreiteiro, “em condições normais” nem a Odebrecht pensaria em fazer um porto em Cuba e nem o BNDES financiaria uma obra no regime cubano. Mas, como foi um projeto apoiado por Lula e Chávez, o próprio Lula teria manobrado para interferir nas decisões do BNDES e liberar o financiamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário