sexta-feira, 28 de abril de 2017

Emmanuel Macron proíbe imprensa russa de cobrir sua campanha

Diogo Bercito - Folha de São Paulo


Emmanuel Macron, o candidato de centro à Presidência da França, impediu que dois veículos russos tivessem acesso a sua campanha.

Um porta-voz do movimento político Em Frente!, criado por Macron há um ano para concorrer ao cargo, descreveu a agência de notícias Sputnik, financiada pelo governo russo, e o canal RT como veículos de "fake news" ("notícias falsas").


A agência Sputnik, por exemplo, havia dito em fevereiro que informações sobre a vida privada de Macron seriam em breve reveladas. O veículo citava um legislador francês afirmando que o candidato era um "fantoche das elites financeiras dos EUA".

Ele foi a público dias depois desmentir boatos de um caso extra-conjugal com um homem. Ele é casado com Brigitte Trogneux, que foi professora em sua escola.

Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, disse que a atitude de Macron era "ultrajante" ao negar o credenciamento de imprensa à Sputnik e ao RT no último domingo (23), dia do primeiro turno.

Ela afirmou que, para o governo de Moscou, o impedimento foi uma "discriminação deliberada contra veículos russos por um candidato presidencial de um Estado que historicamente foi vigilante no que diz respeito à liberdade de expressão".

A Rússia pediu que as autoridades francesas e organizações internacionais garantam a liberdade de imprensa no restante da campanha.

Macron é hoje o favorito à Presidência francesa. O instuto Ifop-Fiducial prevê que ele teria 60% dos votos contra os 40% de Le Pen.

Essa pesquisa, divulgada na sexta (28), foi realizada com 1.399 pessoas entre 25 e 28 de abril. A margem de erro é de 2,6 pontos percentuais em ambas as direções.

SANÇÕES

Há tensão entre as propostas de Macron e as de sua rival, a ultradireitista Marine Le Pen, em relação à Rússia. Ele quer sanções econômicas ainda mais duras, enquanto ela propõe que a França se reaproxime de Moscou.

A Rússia apoiou a candidatura de Le Pen, assim como se entusiasmava também com outros dois candidatos do primeiro turno: o conservador François Fillon e o esquerdista Jean-Luc Mélenchon. Ambos propuseram estreitar os laços com o presidente russo, Vladimir Putin.

Le Pen viajou à Rússia em março, onde se reuniu com Putin. Macron, por sua vez, divulgou um vídeo falando ao telefone com o ex-presidente Barack Obama.

Macron e Le Pen divergem também em relação ao conflito entre Ucrânia e Rússia. 

O centrista favorece Kiev, a direitista prefere Moscou.

Havia portanto ansiedade antes do primeiro turno quanto à possibilidade de que a Rússia tentasse intervir nesse pleito, cujo segundo turno será em 7 de maio.
A campanha de Macron afirmou que os seus servidores e sites foram alvos de ataques vindos do território russo. O Kremlin nega.

Richard Ferrand, um dos líderes do movimento Em Frente!, relatou em fevereiro "centenas e mesmo milhares" de ações de hackers, com notícias "afetando a nossa vida democrática".

Houve acusações semelhantes em 2016 durante as eleições americanas, em que o republicano Donald Trump foi eleito. O tema se repetiu em março, nas eleições holandesas, e voltará à tona no pleito alemão de setembro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário