sexta-feira, 29 de março de 2019

"Ciência e valores, fugindo do viés de confirmação', por Cláudia Costin

Participei, na semana passada, em Dubai, do Fórum Global de Educação e Competências, em que personalidades de várias partes do mundo discutiram como educar a nova geração e, assim, mudar o mundo.
Pessoas como Juan Manuel Santos, ex-presidente da Colômbia, Tony Blair, ex-primeiro-ministro do Reino Unido, os professores que estavam entre os finalistas do Global Teacher Prize e até a pequena BanaAlabed, que aos sete anos tuitava sobre a situação da Síria, falaram a respeito do que acreditam que deve ser feito para melhorar a educação. 
Entre eles, chamaram-me a atenção dois palestrantes: Steven Pinker Andreas Schleicher. O primeiro, autor de “O Novo Iluminismo”, ressaltava a importância da ciência e da razão na análise dos fatos e nos debates públicos. 
Crendices, boatos e o viés de confirmação, em que só acreditamos naquilo que corrobora o que já pensávamos antes, vêm prejudicando uma discussão mais qualificada sobre o que ocorre ou mesmo acerca de dados de pesquisas. 
Lembrei-me disso ao ver a reação de muitos ao comentário do presidente brasileiro sobre um dos achados de uma pesquisa referente a crianças beneficiárias do Bolsa Família.
Steven Pinker, autor de 'O Novo Iluminismo'
Steven Pinker, autor de 'O Novo Iluminismo' - Chona Kasinger/The New York Times
O pesquisador César Victora mostrou que o efeito da pobreza extrema (e não do sistema de transferência de renda) sobre o desenvolvimento intelectual delas era bastante perverso, o que viria a prejudicar, na falta de políticas sociais focadas, suas chances de futuro.
A leitura apressada dos resultados da pesquisa, em muitos casos nas redes sociais, mediados pela fala do presidente, levou alguns críticos do governo a desqualificarem as conclusões da investigação.
Andreas Schleicher, o criador e coordenador do Pisa, avaliação internacional de qualidade da educação, mostrou como a OCDE vem enfatizando, junto com o domínio do código letrado e do raciocínio matemático e científico presentes no exame, o ensino de valores para que jovens possam prosperar e viver em paz no século 21. 
Há uma aparente contradição entre o que os dois pensadores levantam. Afinal é mais importante a ciência ou a ação baseada em valores? 
Ambos são relevantes. Tanto a ciência como os valores são construídos historicamente, embora de formas distintas, mas sempre considerando as experiências que vivemos. 
A partir deles elaboramos hipóteses que podem ser testadas e revisitamos nossos conceitos sobre o que é certo e errado para a vida em coletividade.
É, pois, a ciência, combinada com valores, que vai permitir às novas gerações, desde que educadas para tanto, construir avanços na constituição de uma sociedade menos excludente e rancorosa e, portanto, mais humana.
Andreas Schleicher, coordenador do Pisa
Andreas Schleicher, coordenador do Pisa - Bruno Coutier/AFP
Claudia Costin
Diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais, da FGV, e ex-diretora de educação do Banco Mundial

Nenhum comentário:

Postar um comentário