segunda-feira, 29 de abril de 2019

Um bebê para unir a família real inglesa ou separar mais ainda?, por Vilma Gryzinski

O que é verdade e o que é mentira nas desavenças, indiscutíveis, entre os dois príncipes que o mundo inteiro amava, William e Harry, e suas respectivas princesas?
O nascimento da filhinha ou do filhinho  de Harry e Meghan pode dar um tempo na discussão, tão ou mais encrencada do que o psicodrama político sobre o Brexit.
Em algum ponto, a classe política vai ter que decidir que sai ou não sai da União Europeia, e como. O bebê Sussex, designação genérica usada durante a gravidez, vai crescer e, presumivelmente, nunca se desligar das origens.
Família real é para sempre, com cerimônias que começam no batismo e prosseguem até depois da morte, através de atos rememorativos e até monumentos.
Diana, por exemplo, deixou de fazer parte da família real depois que se divorciou de Charles, mantendo por concessão benevolente o título de princesa de Gales, mas não o tratamento de Sua Alteza Real. Na narrativa predominante, porém, continuou no centro dos acontecimentos da realeza até sua morte precoce.
Quando (e se) a rainha Elizabeth morrer e Charles se tornar rei, a criança, como neta do monarca, poderá ser “promovida” a príncipe ou princesa. Mas não obrigatoriamente usará a honraria. O filho do caçula da rainha, príncipe Edward, por exemplo, usa o segundo título do pai, visconde de Severn. A filha recebe o tratamento de lady.
Na narrativa predominante, uma mistura de fatos cuidadosamente vazados, ilações e invenções, o bebê Sussex nasce num tempo de tumulto familiar.
William, o herdeiro, e Harry, dois adolescentes sofridos e unidos pela morte da mãe, com certeza tiveram algum tipo de atrito grave.
A motivo hipotético mais aventado: como irmão mais velho e protetor, responsável por insistir para que Harry procurasse tratamento médico quando estava perto de um colapso emocional, aconselhou-o a ir mais devagar com os planos de casamento com Meghan Markle.
Como qualquer homem apaixonado, seis meses depois ele estava se casando com a atriz americana, uma beleza exótica, pelo padrões britânicos, de corpo de sílfide moldado pelo ioga e vontade de aço forjada no círculo mais competitivo do mundo, o dos aspirantes a fazer sucesso nas telas de Hollywood; “pontas” imperceptíveis.
Como atriz, Meghan Markle conseguiu um lugar relativamente modesto, mas digno de respeito, num seriado de televisão filmado no Canadá. Depois de passar pelos micos do gênero: vídeos com poses sexy; um programa de auditório de televisão como “moça da mala”, levando quantias que o concorrente tinha que escolher às cegas.
Nos intervalos, cultivava a imagem de benemérita como voluntária de um programa social da ONU para a instalação de banheiros em escolas para meninas pobres em lugares longínquos da África e da Ásia.
Como duquesa de Sussex, título que ganhou rainha no dia do casamento, conquistou fãs que adoram uma história de Cinderela, principalmente quando a borralheira é uma gata que desfila interminavelmente um guarda-roupa de babar, de Dior a Givenchy.
Para uma parte da opinião pública, Meghan firmou-se mais como uma mistura de Anastacia e Drizella, as irmãs malvadas: arrivista, interesseira, ignorante das sutilezas simbólicas da realeza, manipuladora de um marido fraco e obstinada em cavar um lugar especial para o casal usando táticas próprias do mundo das celebridades.
A demissão em série de funcionárias tiradas do celeiro real para “ajudar” a nova duquesa, a contratação de uma especialista em relações públicas que trabalhou para o casal Clinton, a mudança de casa (do complexo familiar no Palácio de  Kensignton para um chalé bem distante, em Windsor), o racha na fundação dedicada à saúde mental originalmente criada para abrigar William, Harry e Kate: muita coisa se conjuminou para tecer a narrativa de Meghan, a princesa com métodos de bruxa.
Teve ainda  um chá de bebê bancado por amigas milionárias em Nova York, com mordomias que a turma HRH (iniciais de sua alteza real em inglês) não pode aceitar.
Sem falar na plantação em massa de declarações “anônimas”, atribuídas às mesmas amigas, exaltando a bondade e o caráter de Meghan.
Toques finais: o anúncio de que Harry estava fazendo um documentário com Oprah Winfrey, a rainha da televisão americana, considerado o ápice da vulgaridade pelos padrões reais, e a insinuação de que o casal se mudaria para a África, fugindo da imprensa (notavelmente bem comportada no casal deles), das responsabilidades reais e do papel secundário obrigatório pela posição hierárquica superior do irmão herdeiro e sua futura rainha.
No meio disso tudo, surgiu o boato de que William teve um caso com Rose Hanbury, uma beldade vizinha de castelo. Sendo o dela muito mais imponente, como marquesa de Cholmondeley (pronuncia-se Chomley, como explicam incansavelmente os ingleses).
Pior ainda, foi quando Kate estava grávida de Charlotte, a filha do meio – uma repetição das aventuras do pai, Charles, que deixaram Diana desequilibrada.
Advogados do príncipe ameaçaram ir  à justiça para impedir a divulgação de uma reportagem numa revista de fofocas, baseada, obviamente, puramente em boatos de que Kate teria mandado cortar todo tipo de contato com os marqueses.
Além de administrar a história de que teria tido uma crise de choro por causa do comportamento de Meghan quando a pequena Charlotte foi fazer a prova do vestido de daminha de honra, Kate viu-se na posição de traída.
Nem um único fio de cabelo da duquesa de Cambridge, seu título provisório (futuramente, será princesa de Gales e rainha consorte), foi alterado em público, um motivo a mais para os novos admiradores que Kate conquistou, depois de anos como alvo de críticas.
O pessoal de relações públicas da realeza tenta por panos pelo menos mornos, plantando que William e Kate visitaram o irmão e a cunhada grávida em Frogmore, a casa dos sapos, literalmente; na realidade um lugar de beleza idílica dentro do perímetro do castelo preferido da rainha, Windsor.
A chegada do bebê Sussex coincide com uma sucessão real do outro lado do mundo. Na quarta-feira, o Japão terá um novo imperador Naruhito. Numa transição longamente planejada, Akihito, que passará a ser imperador emérito, abdicará em favor do filho.
Detalhe que parece extraordinariamente defasado, mas não tem como ser superado no mundo  altamente ritualístico na monarquia japonesa: a filha única do novo imperador não poderá sucedê-lo por ser mulher.
As “três jóias” (um espelho, uma espada e uma pedra de jade, símbolos imperais com história milenar) serão passadas um dia a seu irmão ou ao filho dele.
O Reino Unido mudou as regras da sucessão para modernizar a monarquia. O bebê Sussex fica em sétimo lugar na linha, depois do avô, do tio William e dos três filhos dele, e do pai).
Ainda bem que William não tem nada do tipo que abdicaria do trono. Uma rainha Meghan deixaria o reino de coroa para o ar.

Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário