sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Ibovespa perde 7,51% no mês e tem pior janeiro em quase duas décadas

Ibovespa perde 7,51% no mês e tem pior janeiro em quase duas décadas

  • Fundos de investimentos em ações foram a pior aplicação financeira do mês, com perdas maiores que 5%
  • Investidores de fundos cambiais - que aplicam em moedas, principalmente dólares - tiveram ganhos de 2,73%
Bruno Villas Bôas - O Globo
 
Com a maior queda da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) para meses de janeiro em quase duas décadas, desde 1995, os fundos de investimentos em ações foram as piores aplicações financeiras deste início de ano. Os fundos Ibovespa Ativo - que buscam superar o comportamento do Ibovespa, índice de referência do mercado de ações brasileiro - tiveram perdas de 6,44% em janeiro até o último dia 28, segundo dados da Associação Brasileira dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Os fundos Ações Livre - categoria que não segue um benchmark específico - tiveram perdas de 5,87% no mesmo período.

Segundo Fábio Gallo Garcia, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) de São Paulo, as perdas estão ligadas ao mau comportamento das principais ações da Bolsa, como siderúrgicas, petroleiras, bancos. Ele explica que indicadores ruins sobre o ritmo de crescimento da economia da China e o corte de estímulos do Federal Reserve (Fed, banco central americano) para US$ 65 bilhões mensais explicam uma parcelas dos prejuízos.

- Foi um janeiro com cara de 2013. E o cenário externo negativo se somou ao cenário macroeconômico brasileiro, que não tem sido bom: crescimento baixo, inflação alta. Não há notícias boas para as ações subirem. E, assim, estamos vendo o Ibovespa patinar nos 50 mil pontos sem força para se recuperar - disse Garcia.


- Outros emergentes também caíram bastante. Mas chama atenção que janeiro é o mês que os grandes fundos de investimento refazem as alocações de suas carteiras para o ano. Parece que não fomos favorecidos desta vez, como alguns outros emergentes - explica José Costa Gonçalves, diretor da Máxima Corretora.

Os trabalhadores que destinaram recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para ações da Petrobras e Vale não escaparam das perdas. Esses fundos encolheram 12,36% e 11,17%, respectivamente, segundo as estatísticas da Anbima. Os papéis da Petrobras estão nas mínimas desde 2008, com preocupações sobre o impacto do aumento do dólar na defasagem de preços da gasolina e diesel. Já a Vale sofre com os dados negativos da China, seu maior cliente.

Os investidores de fundos cambiais - que aplicam em diferentes moedas, principalmente o dólar americano - tiveram a melhor aplicação financeira do mês. Esses fundos renderam 2,73% até o último dia 28, segundo dados da Anbima. No mês, o dólar comercial subiu 2,30%, de volta ao patamar de R$ 2,40. Mas especialistas em finanças não costumam recomendar fundos cambiais aos clientes, por causa da instabilidade da moeda.

Já as aplicações de renda fixa tiveram resultado misto. Os fundos DI (pós-fixados) deram um ganho de 0,74%, acompanhando o aumento da taxa básica de juros, a Selic, que foi elevada para 10,50% neste mês pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Os fundos de renda fixa (prefixado), no entanto, rendem menos ao longo do ciclo de alta dos juros e neste mês não foi diferente: ganho de 0,59%, rendimento inferior ao da caderneta de poupança (0,61%).

Os fundos de investimento renda fixa índices - que rendem juros prefixados e mais um índice de inflação, geralmente o IPCA - voltaram a repetir o mau desempenho do ano passado e fecharam janeiro em queda de 0,97%.




.

Nenhum comentário:

Postar um comentário