segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Possibilidade de a quadrilha Lula-Dilma ganhar as eleições, leva dólar a R$ 2,47 e Bolsa cair mais de 5%

Agência Estado 



Datafolha mostrou que a candidata Dilma Rousseff abriu 13 pontos de vantagem ante Marina Silva; em reação, dólar chegou a bater cotação de R$ 2,47 e Bolsa cair mais de 5%


O dólar opera em alta acelerada ante o real nesta segunda-feira, 29, em sintonia com o fortalecimento da moeda americana no exterior e que também ocorre em meio aos ajustes dos negócios locais à pesquisa Datafolha, divulgada depois do fechamento do pregão na última sexta. O cenário eleitoral  influencia igualmente os negócios na Bovespa.
Às 15h15, o dólar comercial era vendido a R$ 2,45 no Brasil, em alta de 1,49%. Mais cedo, por volta das 9h30, o dólar à vista no balcão marcou a máxima do dia, em alta de 2,57%, a R$ 2,4760. A alta perdeu força ao longo da manhã, mas sem chegar ao terreno negativo, após o Banco Central vender dólares no mercado futuro. 
A Bolsa, por sua vez, estava em queda de 4,19%, estava na altura dos 54.811 pontos. A mínima do dia no pregão foi registrada às 10h20, em queda de 5,4%, aos 54.124,13 pontos. As ações de empresas estatais e de bancos privados foram castigadas. Petrobrás opera em baixa da ordem de 9%. 
A pesquisa Datafolha mostrou que a candidata Dilma Rousseff (PT) abriu 13 pontos de vantagem frente à principal adversária, Marina Silva (PSB), nas intenções de voto para o primeiro turno, com 40% contra 27%. Na visão do próprio instituto, o mais recente resultado indicou a diminuição de chance de segundo turno das eleições, nesta reta final do pleito. Mesmo assim, nessa simulação, o Datafolha mostrou que Dilma passou à frente de Marina, ficando com 47% contra 43%, desatando o empate técnico apontado no levantamento anterior e apagando a vantagem que a ex-senadora abriu sobre a petista no mês passado, quando chegou a 10 pontos porcentuais.
Na agenda doméstica do dia, o Banco Central informou que a mediana das estimativas para a alta da inflação pelo IPCA neste ano, no boletim Focus, subiu de 6,30% para 6,31%. Já no âmbito do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o IPCA em 2014 caiu de 6,4% para 6,3% tanto no cenário de referência quanto no de mercado. Na Focus, o mercado financeiro revisou pela décima oitava semana consecutiva a previsão de expansão do PIB, passando de 0,30% para 0,29%. Mais otimista, o BC revisou para 0,7% a expectativa de alta do crescimento econômico em 2014, de +1,6% esperado no último RTI.
Mais cedo, a Fundação Getulio Vargas (FGV) informou que o IGP-M voltou ao território da inflação, após passar quatro meses no campo deflacionário, e subiu 0,20% em setembro, ante -0,27% em agosto. O resultado ficou abaixo do piso do intervalo das estimativas dos analistas, que iam de 0,25% a 0,45%, com mediana de +0,34%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário