sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Para Meirelles, reformas podem caminhar paralelamente

Francisco Carlos de Assis - O Estado de S.Paulo


O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse com exclusividade ao Estadão/Broadcast não ver riscos para o trabalho de equilíbrio das contas públicas o fato de a base aliada do governo sinalizar interesse em votar as reformas política e tributária antes da Previdência. Para o ministro, que visitou a sede do Estadão nesta manhã, o importante é que não se perca o foco da reforma da Previdência.
“A Previdência é fundamental para a economia, para a retomada da confiança e para que o País volte a crescer. Então, independentemente de outras reformas, as coisas podem caminhar paralelamente como é o caso de qualquer Congresso”, disse o ministro.
meirellesw
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles Foto: Dida Sampaio/Estadão

Perguntado se há clima para suportar as tramitações de tantas reformas quase que ao mesmo tempo, Meirelles disse: “não necessariamente com exatamente o mesmo cronograma. Mas evidentemente, são comissões diferentes que podem discutir [as várias reformas]”, explicou.
Meta fiscal. O ministro disse ainda que a equipe econômica está trabalhando fortemente em alternativas para, no máximo de seu esforço, tentar evitar a alteração da meta fiscal.
“Estamos trabalhando fortemente nisso, principalmente com a arrecadação e avaliando a evolução tributária da arrecadação com a recuperação da economia”, disse o ministro após ter visitado na manhã desta sexta-feira a sede do Estadão.
A reportagem colocou para o ministro a avaliação de vários economistas de que a mudança da meta não arranhará a credibilidade da equipe econômica, mas que vai gerar um certo desconforto.
“Eu acho que é um pouco prematuro nós estarmos, no momento, tentando chegar à grandes conclusões. O importante é continuar trabalhando na arrecadação e continuar, de fato, aguardando os resultados para que possamos tomar as decisões no devido tempo”, disse o ministro.
No mercado e até mesmo dentro de alguns setores do governo, já é dado como quase certo que haverá necessidade de se alterar a meta de fiscal da atual previsão de déficit de R$ 139 bilhões para até R$ 159 bilhões, o que significa aumentar o rombo das contas públicas em pelo menos mais R$ 20 bilhões neste ano.

O ministro disse que a despeito de qualquer outra coisa, é importante que a Reforma Tributária seja votada o mais rápido possível. “O presidente da Câmara está falando em já pautá-la para setembro, o mês que vem, e, se isso acontecer, eu acredito que teremos todas as condições, de fato, de aprovar a Previdência até o final de outubro”, disse Meirelles. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário