sábado, 5 de agosto de 2017

Escritório da Procuradoria-Geral da Venezuela é bloqueado por forças de segurança do celerado Maduro, comparsa da dupla corrupta Lula-Dilma

Reuters



As forças de segurança da Venezuela tomaram posições do lado de fora do escritório da Procuradoria-Geral do país neste sábado, 5, um dia depois de o governo empossar a Assembleia Constituinte. De acordo com a procuradora-geral Luisa Ortega Díaz, a eleição é fraudulenta. 
Após o episódio, o tribunal superior da Venezuela determinou processar a Luisa Ortega, informou o presidente do Poder Judiciário em uma carta à Assembleia Nacional Constituinte, que iniciou sua primeira sessão neste sábado.
Os 545 membros da assembleia, com poderes especiais sobre outras instituições do Estado, aprovaram por unanimidade a remoção de Ortega de seu cargo, num movimento que críticos dizem ser uma afronta à democracia.
A procuradora chegou a pedir a uma corte local para interromper a posse da nova assembleia, citando alegações de que o governo forjou os resultados da votação que a criou.
Após o anúncio da destituição, votada por unânimidade, a presidente da Câmara, Delcy Rodríguez, foi recebida com aplausos e gritos de "a justiça chegou". Um dos membros da Assembleia, Diosdado Cabello, afirmou que a remoção de Ortega do cargo ocorreu por "inércia na fiscalização" após "Ortega se transformar no centro da injustiça". Tanto o governo quanto grupos de defesa dos direitos humanos têm denunciado ataques constantes contra a procuradora, que deve ser substituída por um aliado do presidente Nicolás Maduro, Tarek William Saab.
Ortega, em um tuíte, pediu à comunidade internacional que denuncie o que ela chamou de "ação arbitrária". 

Anteriormente, os membros da Assembleia disseram que demitiriam Ortega na primeira chance que tivessem. Levou menos de 24 horas da posse da Assembleia para que seu gabinete fosse isolado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário