quarta-feira, 12 de julho de 2017

'Lula traiu o país duas vezes', por Pedro Doria (Poderia ter sido grande. Escolheu ser pequeno)



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - Marcos Alves / Agência O Globo / 21-9-16


O Globo



Percorrendo na batida a história da República, não nos sobra muito na categoria grandes presidentes. Não são muitos os nomes memoráveis, que tenham sido capazes de transformar o país. Dentre os tecnocratas da Primeira República há homens honestos, até alguns bem-intencionados, mas os grandes nomes como o barão do Rio Branco e Ruy Barbosa não chegaram à presidência. Dos militares, tampouco há um marcante e, se os lembramos, é pelos piores motivos. Entregaram um país menor ao sair.

Lula poderia ter sido grande. Escolheu ser pequeno.

Getúlio Vargas pegou um Brasil no qual crianças trabalhavam o turno da noite nas fábricas paulistanas e o entregou noutro estágio de civilização. É duro elogiar um ditador — mas Getúlio transformou o país. Assim como Juscelino, que fez o brasileiro sonhar com as possibilidades que o futuro nos poderia permitir.

O grande líder não é apenas quem implanta políticas que levam uma nação a outro estágio. Com o Plano Real, Fernando Henrique fez isso. O país tornou-se outro. Mas o grande líder tem um quê a mais. É um carisma, uma capacidade de fazer refletir em si os anseios e esperanças da população. FH não teve isso. Lula tem. Assim como Lula teve a sorte de encontrar um ambiente econômico mundial que já naturalmente puxava o Brasil para cima.

Era só surfar.

Lula teve a oportunidade de ser maior do que Getúlio e JK. Não só fazer um país de classe média mas reinventar sua política futura. Como nenhum outro na história recente, teve o apoio popular necessário para enfrentar o fisiologismo, o patrimonialismo e a corrupção que ancoram o país, negam ao brasileiro serviços públicos de qualidade, se atracam com a economia e condenam tanta gente à desesperança.

Ao não enfrentá-los, Lula jogou fora esta oportunidade única. E assim traiu o poder que lhe foi entregue. Ao abraçar o fisiologismo, o patrimonialismo e a corrupção, mostrou-se um homem muito menor do que sua imagem permitia. Foi a segunda traição.
Em todas suas biografias, esta condenação aparecerá no primeiro parágrafo. É o que restou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário