sábado, 15 de abril de 2017

"Trump está virando o jogo", por Vilma Gryzinski

Presidente Donald Trump e Primeira-Dama, Melania Trump, caminham pela Casa Branca
Olhem a cara de infelicidade: haters não vão parar de odiar, mas o casal Trump não parece preocupado (Justin Sullivan/Getty Images)

Veja

Com três meses de um governo mais tumultuado do que mil MOABS, presidente foi da agonia a um respeitável conjunto de indicadores positivos. Vejam por quê


Todos os muitos problemas que já aconteceram com Donald Trump  – e os que ainda estão por acontecer- serão maciçamente expostos quando ele completar cem dias de governo.
Este marco foi criado por Franklin Delano Roosevelt. Na verdade, ele se referia aos “cem dias do Congresso”, mas o critério passou a ser usado para definir a etapa inicial de todos os presidentes – e nenhum deles foi mais ativo do que o próprio Roosevelt.
Já que os aspectos negativos de Trump são e serão dissecados, não vamos esperar pelos cem dias. Em quase três meses de governo – 85 dias -, Trump saiu da agonia inicial, depois de passar pela vergonhosa retirada do projeto de re-reforma do sistema de saúde e pelos imensos problemas de imagem, criados por ele próprio, inventados por seus adversários e propagados incessantemente pela imprensa anti-trumpista.
A seguir, alguns sinais disso:
1- O otimismo face às perspectivas econômicas atingiu o maior índice dos últimos dez anos entre os agentes econômicos, segundo Bernie Marcus, dono da rede Home Depot (fortuna: 3,5 bi)., num artigo para o site RealClear Politics.
2-Marcus foi um caso raro de empresário trumpista, pelo menos abertamente. Mas não é bobo de não citar um dado concreto. O Índice de Confiança do Consumidor bateu no número mais alto desde o ano 2000. Este índice avalia o ambiente do mundo dos negócios e as condições no mercado de trabalho.
3-Desregulamentação a pleno vapor. Durante os oito anos de governo Obama, diz Marcus, o Código Federal de Regulamentações teve um acréscimo de 103 milhões de palavras – o tipo de cálculo que só pode sair da cabeça de americanos
4-Agora, segundo um decreto assinado logo no começo do governo, a cada nova regulamentação criada, duas têm que ser eliminadas. Uma avaliação otimista esta que, agora, a cada ano serão criados 6 000 novos empreendimentos, abrindo 100 000 postos de trabalho.
5-Sempre é possível fazer uma avaliação pessimista. Ou pelo menos mais cautelosa.
6-A bolsa subiu 12%. Vale a mesma ressalva mencionada acima. Mas não dá para dizer que é um indicador negativo, como tantos se esforçam para fazer.
7-Neil Gorsuch está na Suprema Corte, apesar das compreensíveis porém patéticas, além de inúteis, manobras da oposição para impedir isso.
8-Tem credenciais impressionantes como jurista. Quando votar contra algum caso favorável a Trump, os oposicionistas do Congresso e da imprensa terão alguma dificuldade em explicar isso.
9-O que interessa para a direita, trumpista ou não: há poucos indícios de que venha a mexer significativamente nos direitos garantidos pelo segundo artigo da constituição americana, referentes à posse e porte de armas.
10-O outro lado do corredor alega que ele pode influir numa futura decisão sobre o aborto – permitido, aliás, por voto da Suprema Corte. Como em outros países, dificilmente seria aprovado pelo voto da maioria dos representantes do povo no Congresso. A ver o que Gorsuch virá a fazer, se a Suprema Corte decidir “chamar” algum caso nessa esfera.
11-Para Trump, quanto menos se mexer nisso, melhor. Mas presidentes americanos não mandam em juízes da Suprema Corte – o que deixa alguns brasileiros em estado de profunda perplexidade.
12-Nem um único tijolo do “Muro” foi assentado, mas a número de imigrantes clandestinos apreendidos na fronteira com o México caiu 72% desde o começo do ano.
13-O Daily Beast, site cheio de informações interessantes, mesmo quando distorcidas pelo anti-trumpismo desesperado, atribui isso ao “fator medo”. De Trump, evidentemente.
14-É possível execrar, abominar e ter chiliques com o muro prometido por Trump. Mas é preciso muita má fé para ignorar que a maioria dos americanos deseja controles maiores na imigração que não passa pelos meios legais.
15-Aliás, estamos falando, nesse caso, de imigração clandestina. Não dos milhões de pessoas que entraram e continuam entrando legalmente nos Estados Unidos.
16-Trump mandou bombardear com Tomahawks uma base aérea do regime de Bashar Assad e liberou o uso da mega-bomba MOAB contra o Estado islâmico no Afeganistão.
17-Qual é a parte disso que pode ser ruim? Assad mandou jogar gás sarin numa área tomada por rebeldes, acoitados entre a população civil. Crianças, homens e mulheres em idade adulta, idosos e bebezinhos morreram sufocados pelo gás que penetra através da pele. Vai pensar melhor antes de fazer isso de novo.
18-Ao ser obrigada a defender Assad, a Rússia foi exposta como patrona de um assassino voluntário de criancinhas. Precisou inventar a tese do ataque “falso” para justificar sua posição vergonhosa.
19-Nikki Haley, nomeada por Trump como embaixadora na ONU, está sendo uma revelação. A ex-governadora da Carolina do Sul, nascida Nimrata Ramdhawa, em uma família de imigrantes (legais) indianos da religião sikh, ela tem sido apaixonada na condenação das monstruosidades cometidas na Síria.
20- Tão apaixonada quanto sua antecessora, Samantha Powers. Como esta era cria de Barack Obama, a imprensa anti-trumpista se derretia.
21-O intervencionismo pontual revelado com o ataque à base aérea de Assad – sem vítimas que possam ser comprovadas – foi muito criticado, com boa dose de razão, por muitos simpatizantes de Trump. Qual é a parte errada em mudar de ideia quando criancinhas morrem envenenadas?
22-Mas esperem, tinha outra surpresinha no arsenal americano. Por decisão do comandante das forças americanas no Afeganistão – os chefes na cadeia de comando nos teatros de operações estão liberados para isso, com menos constrangimentos do que no governo anterior -, uma única Mãe de Todas as Bombas foi jogada numa montanha remota cheia de túneis controlados pelo Estado Islâmico no Afeganistão.
23-O recado sob a forma de mais de 8 000 mil quilos de TNT turbinado por pó de alumínio foi ouvido nos seguintes lugares: China, Coreia do Norte, Síria etc.
24-A super-bomba só pode ser lançada em concentrações inimigas em lugares remotos, pois civis inocentes seriam inevitavelmente atingidos em outras circunstâncias. éÉ por isso que os Estados Unidos não podem usar um armamento desse tipo em Mosul, por exemplo. Mas tem muitos comandantes do Isis dormindo pior.
25-Bashar Assad também não está com o sono tranquilo. Nem Kim Jong-Un.
26-Para criticar Trump e exaltar Obama, o New York Times disse que a MOAB nem é assim essa coisa toda. Obama matou mais de 100 militantes do Estado Islâmico em bombardeios no Iraque nos últimos dias de seu governo, disse o jornal.
27-É muito instrutivo ver o Times reconhecendo que aqueles aviões usados para combater inimigos dos Estados Unidos não jogam ovos de Páscoa.
28-É muito instrutivo ver o New York Times elogiando um presidente americano por matar combatentes do Isis e esculhambando outro por fazer a mesma coisa. Alguns leitores podem tirar certas conclusões sobre este ensaio sobre a cegueira escrito involuntariamente por um jornal espetacular, apesar de obscurecido pelas lentes ideológicas.
29-Outras publicações inimigas de Trump criticaram o preço da bomba e o resultado obtido – 36 militantes do Isis, segundo o governo afegão.
30-Custo da MOAB por unidade: 16 milhões de dólares. Explodir militantes de um movimento que queima presos vivos, decapita adversários, escraviza sexualmente meninas e mulheres, joga homossexuais do alto de prédios: não tem preço.
31-A MOAB no Afeganistão também “reequilibrou” o que seria uma alteração na balança criada pelo ataque contra a base aérea de Assad, que é inimigo do Estado Islâmico.
32-Trump brigou com os russos.
33-Vladimir Putin não está feliz com o novo presidente americano. Nossa, justamente o cara que ele elegeu.
34-Atencão: a última frase é uma ironia com os comentários que atingiram as raias da maluquice em relação às conexões entre Trump e os russos. Há muito, muito ainda por explicar nessa área e Trump, ou próximos a ele, ainda podem se enrolar. Mas Vladimir Putin continua infeliz.
35-Melania Trump ganhou uma indenização de uns 3,5 milhões de dólares contra o Daily Mail por publicar declarações – agora desmentidas pelo jornal – de terceiros dizendo que ela havia trabalhado como garota de programa de luxo, sob a fachada de agências de modelos.
36-Melania Trump não se separou do marido.
37-Melania Trump continua a usar o anel com um diamante de 25 quilates que ganhou dele de presente nos dez anos de casamento.
38-Os “leitores” de linguagem corporal que viam sinais de infelicidade, tristeza, desgosto e outros sentimentos similares nas expressões dela deram um tempo.
39-A Coreia do Norte não atacou os Estados Unidos. Até agora.
40-A Coreia do Norte não destruiu nuclearmente os Estados Unidos. Até agora. Os jornais que levaram a sério as declarações do governo da Coreia do Norte a respeito vão ter que passar um tempo no cantinho da reflexão, pensando a respeito. Ah, não…


Nenhum comentário:

Postar um comentário