domingo, 16 de abril de 2017

Roberto Campos, o pregador incansável do liberalismo

José Fucs - O Estado de São Paulo

Apesar de suas realizações na economia, na diplomacia e na política, maior legado de Campos foi no mundo das ideias



Foto: Otavio Magalhães/Estadão (26/8/1994)
ctv-gc1-roberto-campos
Campos tinha a convicção de que a economia de mercado e o Estado mínimo eram a melhor maneira de promover o desenvolvimento
Ao longo de mais de meio século de vida pública, Roberto Campos (1917-2001), que completaria 100 anos nesta segunda-feira, dia 17, participou ativamente de alguns dos momentos mais marcantes da história do País. Como diplomata, economista, senador e deputado federal, ele teve uma trajetória admirável e acumulou realizações expressivas nas inúmeras atividades que exerceu no governo (ver o quadro abaixo).
O maior legado de Roberto Campos, porém, foi no mundo das ideias. Ele foi um dos maiores defensores do liberalismo no País, provavelmente o maior. Encarnou, mais que ninguém, o papel de pregador incansável do pensamento liberal e usava de fina ironia para combater o comunismo, o socialismo e o esquerdismo de botequim. Até hoje, quinze anos após sua morte, continua a ocupa um lugar de destaque nos corações e mentes dos seguidores do liberalismo no Brasil.
“Ele lançou a semente do Estado minimalista no País, numa época em que o Estado era tudo na economia”, diz Carlos Langoni, diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio e ex-presidente do Banco Central. “O Roberto Campos era muito mais que um economista e tinha uma visão além de seu tempo sobre a organização do Brasil como economia de mercado.”
Num período em que a defesa do liberalismo era vista como uma espécie de heresia, Campos pregava quase no deserto. Apesar de perseguido pelas esquerdas, que o viam como “entreguista”, o que lhe rendeu o apelido jocoso de “Bobby Fields”, nunca fraquejou. Tinha a convicção de que a economia de mercado, a concorrência interna e externa e o Estado mínimo eram a melhor maneira de promover o desenvolvimento sustentável e a prosperidade geral da população, e não se constrangia em expressá-la a qualquer tempo e lugar. “A primeira coisa a fazer no Brasil é abandonar a chupeta das utopias em favor da bigorna do realismo”, disse certa vez.
Nos primórdios de sua vida pública, quando o processo de industrialização ainda não havia se consolidado no País e faltavam capitais privados para alavancar o desenvolvimento, Roberto Campos rezava por outra cartilha. Seguia as ideias do economista britânico John Maynard Keynes, que apoiava a intervenção do Estado na economia, para estimular o crescimento. Foi Campos, em boa medida, o responsável pela criação de diversas estatais, como a Eletrobrás e a Siderbrás, quando estava à frente do Planejamento. “O Roberto Campos foi o grande construtor do monstro estatal no Brasil”, afirma o diplomata Paulo Roberto de Almeida, diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (Ipri) e organizador do livro O homem que pensou o Brasil, sobre a trajetória e as ideias de Campos (leia texto ao lado).
Mas, mesmo nessa fase, Roberto Campos já era um fiscalista e combatia a gastança sem lastro do dinheiro público. Acreditava que o controle da inflação era fundamental para alavancar o crescimento sustentável da economia e garantir a preservação da poupança popular. Logo depois que a Petrobrás foi criada, em 1953, no segundo governo Vargas, Campos também se tornou um crítico contundente do monopólio garantido à empresa no setor.
Ele acreditava que a falta de concorrência geraria acomodação e ineficiência e que a não realização de parcerias com empresas estrangeiras dificultaria a exploração de petróleo pelo Brasil, como acabou acontecendo. Só depois, de acordo com Almeida, Campos se deu conta de que o Estado não era aquela maravilha que havia imaginado. Posteriormente, nos anos 1990, passaria a apoiar até a privatização da Petrobrás, que ele chamava de Petrossauro, ainda hoje um tabu. “Em 1964, ele construiu o Estado brasileiro, que depois ele veio a renegar, acusar e combater”, diz.
Sua conversão foi embalada pela onda liberalizante que ganhou o mundo nos anos 1980, com a queda do Muro de Berlim e os governos de Ronald Reagan, nos Estados Unidos, e de Margaret Thatcher, no Reino Unido. O economista e consultor Antonio Delfim Netto, ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura, conta um episódio ocorrido quando ambos eram deputados federais, que ilustra bem a transformação pela qual Roberto Campos passou depois que saiu do Planejamento. “Um dia, na Câmara, sem nenhuma razão, ele me disse: ‘Delfim, perdi muito tempo. Só deveria ter lido Hayek’.” O economista Fredrich Hayek (1899-1992), ligado à chamada Escola Austríaca, de linha ultraliberal, era defensor do Estado mínimo e um dos inspiradores de Thatcher.
Campos foi colunista do Estado entre 1988 e 1995. Seus artigos eram publicados tradicionalmente na página 2, no domingo. Seu primeiro artigo, intitulado Gorbatchev: reformista ou revolucionário foi sobre as reformas na União Soviética. O último, intiulado A rua e o quintal, era uma crítica ao protecionismo, na qual dizia que o Brasil não podia se dar ao luxo de ficar fora do mundo.
Ele morreu em 2001 e não viveu para ver a crise profunda que atingiu a economia do País, em decorrência das políticas estatistas implementadas durante os governos do PT, nem a multiplicação dos escândalos de corrupção em empresas estatais ocorrida no período. Segundo o economista Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central e sócio da Gávea, uma empresa de investimento, o aniversário de 100 anos de Roberto Campos deveria servir para resgatar as suas ideias, de redução da presença do Estado na economia. “O Roberto Campos estaria repetindo o que disse a vida inteira, que o Brasil andou para trás”, afirma Fraga. “Hoje, há uma janela de oportunidade para consertar esse modelo que não deu certo.”

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário