domingo, 16 de abril de 2017

Nomes tradicionais ainda mantêm chances

Alberto Bombig e Marianna Holanda - O Estado de S.Paulo

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ainda desponta no PSDB como o nome favorito para a Presidência. A avaliação é de que, apesar do fortalecimento do prefeito da capital paulista, o também tucano João Doria, as acusações dos delatores da Odebrecht contra Alckmin não são capazes de afetar sua reputação. Alckmin é acusado de receber caixa 2 nas campanhas em 2010 e 2014. Ele nega.


Foto: Felipe Rau/Estadão
Geraldo Alckmin
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)

Outras figuras atingidas pela Lava Jato mantêm chances, segundo os analistas. “Aos olhos dos políticos, se todo mundo estiver implicado, o jogo estará zerado porque ninguém terá o monopólio do capital ético”, disse o cientista político Rafael Cortez. Para ele, o que pode mudar o jogo são eventuais novidades fora da polarização PSDB e PT.
Foto: Dida Sampaio/Estadão
Jair Bolsonaro
O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ)
Na direita do espectro, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) nacionalizou suas pautas. “Acredito que ele pode se fortalecer nessa lacuna deixada por lideranças, uma vez que a descrença nos políticos alimenta um discurso mais ordeiro e radical”, afirmou Marco Antônio Teixeira.
Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
Chico Alencar_Dida
O deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ)
À esquerda, o PSOL pode arrematar votos como um dos poucos partidos não atingidos pela Lava Jato. O deputado federal Chico Alencar (RJ) ou o deputado estadual Marcelo Freixo (RJ) podem se destacar em 2018, mas com uma distante possibilidade de 2.º turno.



Nenhum comentário:

Postar um comentário